LEIA EM

Política

A greve dos servidores municipais de Santos entra no seu oitavo dia útil nesta segunda-feira. A Prefeitura da Cidade continua tratando o movimento dos trabalhadores em alguns setores como uma “adesão inexpressiva”, apesar da adesão ao movimento crescer a cada dia.

A greve dos servidores municipais de Santos prossegue e o estrago na classe política da Cidade está feito. Prefeito, vereadores, deputados estaduais e federais estão chamuscados e desmoralizados diante dos trabalhadores e da população santista. Publicamente, apenas Telma de Souza e Chico do Settaport apoiam o movimento. Os outros 19 vereadores continuam ao lado do prefeito santista e de costas para os servidores.

A munícipe criticou o filho de Valter Suman (PSB), que é muito ativo nas redes sociais. O prefeito se doeu e respondeu: “É muita falta de educação, imbecilidade e estupidez para uma senhora de sua idade! Sua halitose deve ser fétida”.

Um ato pacífico dos trabalhadores portuários de Santos em apoio ao movimento nacional contra as reformas trabalhista e da Previdência, na manhã desta quarta-feira (15), em frente ao Terminal da Brasil Terminal Portuário, na Alemoa, foi violentamente interrompido pela Polícia Militar com bombas de gás lacrimogêneo e cassetetes. Veja o vídeo.

Para divulgar as comemorações do aniversário de 50 anos do município, que aconteceu no dia 19 de janeiro, o prefeito de Praia Grande, Alberto Mourão gastou, apenas em janeiro, R$ 1,022 milhão em anúncios de quatro emissoras de televisão.

No terceiro dia de greve, Servidores de Santos (SP) lotam manifestação, são aclamados pela população e tem adesão cada vez maior.

A diretoria da Regional Santos, Baixada Santista e Vale do Ribeira do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo soltou, nesta segunda-feira (13) nota de apoio e solidariedade à greve dos servidores municipais de Santos. Leia a nota na íntegra aqui.

Prefeitura tucana não apresenta contraproposta e trabalhadores param a partir desta quinta-feira (09). Com a paralisação dos servidores, apenas serviços considerados essenciais, de acordo com a Constituição, serão mantidos em funcionamento.

Nesta quarta-feira (08) será a vez da paralisação do Departamento de Fiscalização Empresarial e Atividade Viária (Defemp) é que ficará fechado das 7 às 12 horas. Se a prefeitura não atender às reivindicações dos servidores, a greve será geral a partir da próxima sexta-feira (10). Veja nota dos servidores abaixo.

Cada dia será paralisado um setor diferente. Dia 09 a greve será geral. O presidente dos estatutários considerou “excelente” a participação dos servidores.