LEIA EM

Política

O Blog Santos em Off apurou que o envio do Choque à Cidade foi um pedido do prefeito Ademário Oliveira. Ele passou por cima dos comandos da PM em Cubatão e da Baixada Santista e pediu socorro diretamente ao secretário de Segurança do Estado Mágino Alves Barbosa Filho e ao governador Geraldo Alckmin.

O objetivo dos servidores era evitar que os vereadores votassem um “pacote de maldades” proposto pelo prefeito tucano Ademário Oliveira (PSDB) que retira direitos dos trabalhadores. A PM desceu o cassete e o projeto foi aprovado. Da Redação A Polícia Militar agrediu com bombas de efeito moral, cassetetes e balas

A programação dos servidores em greve em Santos continua. Desde cedo, os manifestantes se reuniram na Praça Mauá, no Centro da cidade, onde haverá a apresentação da peça “Circo da Miséria”, com o palhaço Jeff Vasques. À noite, haverá uma assembleia na Associação Atlética dos Portuários de Santos.

Em assembleia histórica, servidores de Santos decidiram por aclamação manter a greve. Tribunal de Justiça concedeu uma liminar ao Poder Público que determina ao Sindicato dos Servidores Municipais (Sindserv) que mantenha 80% dos servidores da Cidade no atendimento em creches, Saúde, Educação e Assistência Social. O Sindicato ainda não foi notificado.

A proposta apresentada pela Prefeitura de Santos, considerada um insulto à categoria, foi de abono salarial de 5,35% referente ao índice da inflação, que seria incorporado ao salário apenas em dezembro.

O presidente do Sindserv destacou que a greve continua até quinta-feira, quando a proposta será levada em assembleia para aprovação ou rejeição. A reunião será realizada no Associação Atlética dos Portuários de Santos, às 19 horas.

A greve dos servidores municipais de Santos entra no seu oitavo dia útil nesta segunda-feira. A Prefeitura da Cidade continua tratando o movimento dos trabalhadores em alguns setores como uma “adesão inexpressiva”, apesar da adesão ao movimento crescer a cada dia.

A greve dos servidores municipais de Santos prossegue e o estrago na classe política da Cidade está feito. Prefeito, vereadores, deputados estaduais e federais estão chamuscados e desmoralizados diante dos trabalhadores e da população santista. Publicamente, apenas Telma de Souza e Chico do Settaport apoiam o movimento. Os outros 19 vereadores continuam ao lado do prefeito santista e de costas para os servidores.

A munícipe criticou o filho de Valter Suman (PSB), que é muito ativo nas redes sociais. O prefeito se doeu e respondeu: “É muita falta de educação, imbecilidade e estupidez para uma senhora de sua idade! Sua halitose deve ser fétida”.

Um ato pacífico dos trabalhadores portuários de Santos em apoio ao movimento nacional contra as reformas trabalhista e da Previdência, na manhã desta quarta-feira (15), em frente ao Terminal da Brasil Terminal Portuário, na Alemoa, foi violentamente interrompido pela Polícia Militar com bombas de gás lacrimogêneo e cassetetes. Veja o vídeo.