Home»REGIÃO»Baixada Santista»Bicheiro mantinha ‘mini-zoológico’ em Santos

Bicheiro mantinha ‘mini-zoológico’ em Santos

Responsável por organização criminosa guardava R$ 1 milhão em casa, quantia que foi  apreendida. Um policial militar foi preso em flagrante com arma e droga, durante operação do Gaeco na Baixada Santista.

Da Redação*

Um bicheiro resolveu levar ao pé da letra sua atividade. Um homem apontado como responsável por uma organização criminosa, que mantinha 130 pontos de jogo do bicho em cidades da Baixada Santista, possuía um “mini-zoológico” na cobertura em que morava, em Santos, no litoral paulista. Manoel Rodrigues Filho, o Maneco, está fora do país, de acordo com a polícia.

O esquema, que incluía lavagem de dinheiro e corrupção de agentes públicos, foi desarticulado durante a operação “Game Over” (Fim de jogo), deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público, e pela Corregedoria da Polícia Militar.

Foram cumpridos 13 mandados de busca e apreensão em Santos, São Vicente e no interior paulista, na cidade de Indaiatuba. Mais de R$ 1 milhão em dinheiro foram apreendidos, junto com granadas, armas e munições. Um policial militar reformado foi preso com armamento restrito e drogas.

Um dos imóveis averiguados pelas autoridades foi o apartamento de cobertura em que Maneco residia, na Rua Liberdade, no bairro Aparecida, em Santos. No local, a Polícia Ambiental apreendeu cerca de 20 animais silvestres sem qualquer tipo de documentação, incluindo dois macacos e vários pássaros, entre eles, uma coruja e um falcão, todos em gaiolas.

O balanço da Promotoria indica que R$ 1.420.000,00, 18 mil dólares e 2 mil euros em dinheiro foram apreendidos nos endereços vistoriados. Nos locais, as equipes também localizaram oito armas, duas granadas, uma arma de choque, centenas de munições e cinco carregadores. Todo o material foi recolhido.

Entre os alvos, estavam as residências de três policiais militares. As investigações apontaram que eles eram os responsáveis por fazer a segurança da organização e das bancas de aposta. Um policial, que não está mais na ativa, foi preso em flagrante com uma arma de uso restrito e porções de entorpecentes. Os outros dois prestaram depoimento e foram liberados.

*Com informações do G1

Foto: Divulgação/Ministério Público

Comentários

Comentários

Funcionários da Prodesan exigem uma definição

Próximo

This is the most recent story.