Home»REGIÃO»Baixada Santista»PM acusado de atirar em ex-secretário de Guarujá começa a ser julgado

PM acusado de atirar em ex-secretário de Guarujá começa a ser julgado

Ricardo Joaquim foi assassinado no dia 8 de março de 2012 e julgamento de Anderson Willians da Silva deveria ter ocorrido em janeiro deste ano, mas foi adiado.

Da Redação*

Acusado de atirar no ex-secretário de Governo de Guarujá, Ricardo Joaquim (foto), o policial militar Anderson Willians da Silva será julgado nesta quarta-feira (19-7). O julgamento acontece a partir das 13 horas, no fórum da Barra Funda, em São Paulo. O julgamento deveria ter acontecido em janeiro deste ano, mas foi adiado. Segundo o Tribunal de Justiça de São Paulo, alguns documentos não foram juntados ao processo. Depois, foi marcado para o dia 17 de abril deste ano e foi, novamente, adiado. Na ocasião, o advogado do ex-policial abandonou o julgamento. Ele justificou a atitude porque a juíza indeferiu um requerimento logo no início da sessão.

De acordo com as investigações, o ex-policial militar foi quem atirou no secretário. Ricardo Joaquim foi assassinado no dia 8 de março de 2012 durante um encontro político. A pistola que causou a morte do ex-secretário foi encontrada com o ex-policial militar, que deixou a corporação 20 dias depois do crime para abrir um negócio próprio. O homem e outro policial militar são apontados como os assassinos e estão presos.

Para a polícia, o ex-secretário de governo de Guarujá teria se envolvido em questões relacionadas a uma área de mais de 1 milhão de metros quadrados no Jardim Virginia. As terras foram compradas em 2010 pela empresa Tera, que pertence a um empresário de Campinas. As investigações apontam que Ricardo Joaquim teria recebido dinheiro para acabar com as dívidas de IPTU do terreno, mas como foi exonerado do cargo, não cumpriu a promessa e foi morto.

Além dos policiais militares, dois empresários ligados à empresa Tera que foram apontados como os mandantes do crime também respondem ao processo. Eles foram presos durante a investigação da policia, mas conseguiram um habeas corpus e estão soltos.

*Com informações do G1

Foto: Reprodução/TV Tribuna

Comentários

Comentários

Aposentado é preso por cultivar maconha em São Vicente

Média salarial cai 11,3% na Baixada Santista