Home»REGIÃO»Baixada Santista»Média salarial cai 11,3% na Baixada Santista

Média salarial cai 11,3% na Baixada Santista

Informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados conclui que os novos trabalhadores admitidos têm remuneração menor do que os que foram desligados.

Da Redação*

O nível salarial dos trabalhadores da Baixada Santista tem caído significativamente, especialmente em consequência da crise econômica que atormenta o país. Segundo dados regionais do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), referentes ao primeiro semestre de 2017, a média salarial dos admitidos é 11,3% menor do que a dos desligados. Enquanto os novos empregados, dos mesmos setores, recebem remuneração mensal de R$ 1.529,15, os dispensados ganhavam R$ 1.724,61.

Alguns dos grandes setores ocupacionais classificados pelo Ministério do Trabalho tiveram uma queda no nível da remuneração que ultrapassa a casa dos 20%, como aqueles que atuam na produção de bens e serviços industriais (instalações siderúrgicas, fabricação de alimentos e bebidas e operações de produção, captação, tratamento e distribuição de água e energia). A diferença salarial entre os demitidos e contratados foi de 24,41% (de R$ 2.165,79, a média passou para R$ 1,637,13).

A diminuição de 24,11% foi verificada na categoria de profissionais de ciências e artes, que inclui professores universitários, engenheiros, artistas, comunicadores, operadores do Direito e funcionários da saúde. A remuneração média dos empregados do setor era de R$ 3.445,89, enquanto a dos novos contratados é de R$ 2.613,99.

A única área onde ocorreu o aumento do valor da remuneração mensal pelos novatos em comparação aos desligados foi na que engloba trabalhadores agropecuários, florestais e da pesca (R$ 1.620,65 contra R$ 1.585,41).

Uma questão que chama a atenção nos dados do Caged referentes à Baixada Santista é a diferença salarial entre homens e mulheres. As trabalhadoras contratadas possuem uma remuneração 13,7% inferior aos novos empregados do sexo masculino (R$ 1.401,53 contra R$ 1.624,16). Um fator que pesa para essa desigualdade é o pequeno número de mulheres que foi contratada neste primeiro semestre para cargos gerenciais em empresas e em órgãos públicos. Enquanto os homens que atuam nesse setor foram empregados com remuneração média de R$ 3.937,58, as mulheres começaram nesse serviço ganhando R$ 2.338,91.

*Com informações de A Tribuna

Foto: Divulgação

 

Comentários

Comentários

PM acusado de atirar em ex-secretário de Guarujá começa a ser julgado

Tráfego de navios é prejudicado por fechamento do canal do Porto de Santos