Home»REGIÃO»Baixada Santista»Noite santista vai perder seu principal espaço musical

Noite santista vai perder seu principal espaço musical

Depois de 33 anos atuando como principal foco de resistência da boa música, o Torto Bar vai encerrar as atividades em setembro. Problema principal é o alto custo do aluguel do imóvel, que chegou a R$ 10 mil.

Da Redação*

O que hoje representa o principal foco de resistência da boa música na noite de Santos, no litoral de São Paulo, está chegando ao fim. Após 33 anos de muita tradição, oferecendo espaço a centenas de músicos da região e de fora, o Torto Bar fechará suas portas em setembro. Os proprietários do estabelecimento, fundado em 23 de agosto de 1984, terão de entregar ao dono o imóvel alugado. Eles não conseguiram entrar em acordo para a renovação do contrato de locação e não tinham como continuar arcando com os R$ 8 mil mensais de aluguel, em consequência da crise. O último boleto apresentou o valor de R$ 10 mil.

“O ideal seria reduzir um pouco o valor por um período, até que a economia desse uma reagida, porque o dinheiro sumiu do mercado. Nós tentamos de todas as formas adequar o valor da locação para a realidade que a gente vive hoje, mas todas as propostas foram negadas”, disse o sócio-proprietário do Torto, Michel Pereira. Ele revelou, ainda, que a compra do imóvel chegou a ser discutida, mas o valor pedido inicialmente – R$ 600 mil – é “alto e completamente fora da nossa realidade”. O dono do espaço também não queria mais alugá-lo e tem a intenção de vendê-lo, segundo Michel.

Com o contrato encerrado em 1º de maio, os donos do Torto receberam uma intimação judicial de despejo e combinaram com o proprietário de entregar o imóvel em 20 de setembro. A última noitada será no dia 17 daquele mês, finalizando uma programação especial que começa desde já.

“Queremos abrir a maior quantidade de dias possível, trazendo todo mundo que passou pela casa e tem interesse de se despedir do palco. Vamos tentar fazer com que todo mundo que esteve aqui possa se despedir e quem não esteve possa entender o porquê dessa comoção”, projetou Michel, que faz parte da direção do Torto desde 1989.

No Facebook, o anúncio do fechamento do bar obteve 1,8 mil reações, 665 compartilhamentos e 660 comentários até o final da noite. É mais uma prova inequívoca do quanto aquele espaço cultural aconchegante no prédio inclinado da esquina do Canal 4 com a avenida da praia fará falta para o público na noite santista.

Perda enorme

Um dos fundadores do Torto, o músico e jornalista Julinho Bittencourt definiu o fechamento como uma “perda enorme”. Ele saiu da administração do bar no início dos anos 2000, mas continuou frequentando e se apresentando no local. “O Torto é um bar em que é tudo errado, o palco vem antes do balcão, não é um lugar muito cômodo, não tem onde sentar… o grande patrimônio é a boa música”, exaltou Julinho. Os outros dois fundadores são Roberto Biela e Alfredo Rosato. Para o músico, o fechamento do Torto é consequência de duas crises: “Tem a crise econômica, que é inegável e quem é da noite sabe o que é acumular dívida, e a crise do bom gosto. Lugares que oferecem a música que o Torto tem estão perdendo espaço no País”.

*Com informações de A Tribuna

Foto: Reprodução

Comentários

Comentários

Vereador tucano vira réu por crime de falsidade ideológica em Santos

Próximo

This is the most recent story.