Home»REGIÃO»Baixada Santista»Jovem simula o próprio sequestro em Mongaguá

Jovem simula o próprio sequestro em Mongaguá

Falso crime durou menos de 24 horas e foi solucionado pela polícia; ele extorquiu a família e pediu R$ 10 mil de resgate.

Da Redação*

A Policia Civil prendeu um jovem de 23 anos, depois e apurar que ele forjou o próprio sequestro e extorquir a família, em Mongaguá, no litoral de São Paulo. O sumiço durou, aproximadamente, 24 horas, e para o resgate ele pediu o pagamento de R$ 10 mil. O desaparecimento de Gabriel Felipe do Nascimento ocorreu na terça-feira (20-6 ) e seu familiares procuraram o distrito policial na cidade, que encaminhou o caso para a Delegacia Antissequestro (Deas) de Santos.

Por meio de um telefone com prefixo da capital paulista (011), uma pessoa negociava o valor a ser pago pela família da então vítima, para que Gabriel fosse liberado. Do total exigido, a mãe dele depositou somente R$ 1 mil em uma conta bancária indicada. Os policiais da Deas acompanharam a negociação e descobriram que o titular da conta era, na verdade, o chefe do rapaz, que trabalha em um quiosque de praia na cidade. O homem foi encontrado e afirmou desconhecer os acontecimentos.

Para a polícia, o dono do quiosque disse que Gabriel havia pedido a ele uma conta emprestada, para que uma tia, moradora de Minas Gerais, depositasse R$ 7 mil. O valor, conforme o relato, era para que ele pudesse construir uma casa na cidade. O chefe de Gabriel explicou, ainda, que o pedido para que ele pudesse utilizar a conta ocorreu há um mês. O comerciante não desconfiou de nada e, por acreditar no funcionário, acabou informando os dados naquela ocasião, achando que poderia ajudá-lo.

Na quarta-feira (21-6), após o depósito bancário, Gabriel ligou para a família e informou que estava bem, que havia sido liberado e estava em São Paulo. Ao chegar a Mongaguá, ele foi abordado pelos policiais da Deas, que confirmaram as suspeitas ao interrogá-lo. O rapaz foi preso em flagrante por extorsão, e o valor pago para o resgate foi devolvido à família. O chefe dele foi enquadrado como testemunha do caso. Gabriel foi encaminhado à Cadeia Pública de Peruíbe e ficou à disposição da Justiça.

*Com informações do G1

Foto: Commons

Comentários

Comentários

PM reage a assalto e mata menor em Praia Grande

Indignado, pai defende filho de homofobia em Jundiaí