Home»REGIÃO»Baixada Santista»Desempregados protestam em Cubatão

Desempregados protestam em Cubatão

Eles criticam a contratação de mão de obra de outras cidades, em detrimento aos trabalhadores locais. Polícia Militar teve que conter os manifestantes em frente à Refinaria Presidente Bernardes.

Da Redação*

Um grupo de desempregados protestou na porta da Refinaria Presidente Bernardes (RPBC), na manhã desta quarta-feira (14-6), em Cubatão, na Baixada Santista. Eles são contra a contratação de trabalhadores que não moram na cidade ou região. Essa é a segunda vez que eles fazem um protesto nesta semana. A Polícia Militar esteve no local para conter os manifestantes.

Os desempregados se reuniram, por volta das 6 horas, em frente à portaria 10 da refinaria. Duas entradas da empresa foram bloqueadas pelos manifestantes. Eles impediram alguns trabalhadores de entrarem no local. A Polícia Militar apareceu para conter os desempregados. A Tropa de Choque soltou bombas para dispersar os manifestantes e criou uma barreira em frente ao portão para garantir que os funcionários conseguissem entrar para trabalhar na RPBC.

De acordo com a Comissão dos Desempregados de Cubatão e Baixada Santista, as empresas de Cubatão assinaram termo de compromisso junto à Comissão e Secretaria de Emprego concordando em contratar mão de obra de Cubatão e Baixada Santista. Entretanto, elas continuam contratando trabalhadores que não moram na cidade. As vagas não são enviadas integralmente ao PAT e as empresas continuam recrutando por outros meios. De acordo com Ronaldo Queiroz, líder da Comissão, o ato foi feito, novamente, em frente à RPBC porque uma empreiteira que presta serviço à refinaria não estaria respeitando o acordo.

Em nota, o Comando de Policiamento do Interior Seis, da Polícia Militar, informou que houve uma concentração de aproximadamente 100 pessoas na Avenida 9 de Abril, próximo ao portão Central da refinaria. Os policiais militares dirigiram-se para o local com a finalidade de garantir a segurança das pessoas e o direito democrático de livre manifestação. Um grupo ganhou maior dimensão obstruindo a via, havendo, portanto, a necessidade de os policiais militares negociarem com os pacíficos manifestantes e, desta forma, parte da via foi desobstruída.

*com informações do G1

Foto: Divulgação/Petrobras

Comentários

Comentários

Escritor diz que nunca torturou família

Próximo

This is the most recent story.