Home»REGIÃO»Baixada Santista»Continua impasse entre Sabesp e prefeitura de Guarujá

Continua impasse entre Sabesp e prefeitura de Guarujá

Companhia deu 30 dias de prazo para que a administração municipal decida se assina contrato ou não. Representantes das partes se reúnem nesta terça.

Da Redação*

O embate entre a Companhia de Saneamento Básico de São Paulo (Sabesp) e a prefeitura de Guarujá, no litoral de São Paulo, continua. Os secretários Sidnei Aranha (de Meio Ambiente) e Darney Cândido (Planejamento) serão ouvidos nesta terça-feira (13-6), às 10 horas, pela Comissão de Assuntos Relevantes que acompanha os trabalhos das concessionárias de água, esgoto e energia elétrica na cidade. A iniciativa é por conta da possibilidade da empresa cessar os serviços no município.

O convite partiu do presidente da comissão, vereador Luciano de Moraes Rocha, o Tody (PMDB), e tem por objetivo confrontar informações que foram prestadas por representantes da companhia, na última sexta-feira (9-6), em reunião, na Câmara. Na ocasião, vereadores cobraram a retomada de obras que estão paralisadas na cidade e ouviram do gerente regional, Rogério José Osti, que só haverá verba disponível após a regularização do contrato entre a companhia e a prefeitura.

“Não temos a verba para continuar e, sem contrato, não temos como pedir este investimento porque não temos segurança jurídica para buscar recursos. A lei federal 11.445/07 dá o prazo de 10 anos para o município regularizar o contrato, este prazo está se esgotando, estamos esperando há nove anos e meio”, afirmou Osti, que ainda se queixou das multas que têm sido aplicadas à empresa, revelando que a maioria é inconstitucional e os valores absurdos.

A prefeitura, por sua vez, diz que a postura da empresa não se justifica, seja no que se refere ao contrato, seja no que se refere às multas. No primeiro caso, lembra que desde 1975 a Sabesp presta serviços à cidade sem contrato formal e que vem mantendo tratativas com a concessionária, inclusive fazendo inspeções em suas instalações. No segundo caso, diz que que não há decisão judicial até o momento sobre a natureza indevida dessas autuações e que é intolerável o despejo de esgoto e agentes nocivos nas redes de águas ­pluviais.

A Sabesp deu 30 dias para a prefeitura manifestar o interesse de contratação e continuidade da prestação dos respectivos serviços, e caso se manifeste favor, será necessária a celebração de convênio de cooperação entre o Estado de São Paulo e o Município do Guarujá de modo reger a relação contratual entre as partes.

A Prefeitura garante que irá cumprir o prazo, considerando a conclusão do relatório do Grupo de Trabalho de Saneamento Básico, e publicará um PMI (Procedimento de Manifestação de Interesse) para democratizar a escolha da empresa que ficará responsável pelo serviço na cidade.

*Com informações do Diário do Litoral

Foto: Commons

Comentários

Comentários

Taxistas pedem regulamentação de aplicativos de transporte em Santos

Pais de jovem que fugiu de casa estão desaparecidos