Home»REGIÃO»Baixada Santista»Uma noite de mentiras e traições na Câmara Municipal de Santos

Uma noite de mentiras e traições na Câmara Municipal de Santos

Vereadores que se comprometerem e traíram o funcionalismo público de Santos: Adilson Júnior (PTB), Antonio Carlos Banha (PMDB), Fabiano da Farmácia (PR), Boquinha (PSDB), Lincoln Reis (PR),  Manoel Constantino (PSDB), Roberto Teixeira (PSDB),  Sergio Santana (PR).

Por Glauco Braga do Santos em Off

Nem o servidor municipal mais otimista poderia esperar algo diferente do que aconteceu na Câmara Municipal de Santos, na noite desta quinta-feira. Numa mistura de esperteza e falta de caráter, a Mesa da Casa suspendeu a Ordem do Dia e , em uma velocidade impressionante, colocou os projetos de lei de autoria da Prefeitura, que prevê abonos e reposição abaixo da inflação, em votação e consequente aprovação. O prefeito pode até comemorar a vitória parcial, mas o jogo não acabou e a reação promete ser na mesma moeda, com o acirramento dos ânimos e a vontade de engrossar ainda mais o movimento que segue para 30 dias.

A Câmara Municipal da Cidade nem tem se esforçado muito para se transformar numa das piores da história. Além de ter, na sua maioria, vereadores que servem de marionetes para o prefeito Paulo Alexandre Barbosa, esses políticos estão literalmente gozando da cara da população.

trai

Alguns, além de péssimos vereadores, ficarão conhecidos também pela população santista como mentirosos e traidores. Não honram o que  falam em público, principalmente, em frente aos servidores municipais.

A proposta da Administração prevê um abono de 2% ao mês, no período de 1º de julho a 30 de setembro deste ano; abono de 5,35% ao mês, no período de 1º de outubro a 30 de novembro; incorporação dos 5,35% sobre os vencimentos, a partir de 1º de dezembro; e 5,35% no Auxílio Alimentação, retroativo a fevereiro; 5,35% na Cesta Básica, retroativo a fevereiro. Os funcionários públicos reivindicam 7% (5,35% INPC, mais 1,65%) de reposição retroativos a fevereiro, data-base da categoria.

O primeiro projeto que prevê o reajuste de 5,35% sobre os vencimentos a partir de dezembro de 2017 foi aprovado por 13 a 7. A vereador Telma de Souza chegou atrasada e não conseguiu votar. O segundo projeto, que prevê abonos salariais, foi aprovado por 13 a 8.

mentira

O pior da noite foi o fato dos vereadores Adilson Júnior (PTB), Antonio Carlos Banha (PMDB), Fabiano da Farmácia (PR), Boquinha (PSDB), Lincoln Reis (PR),  Manoel Constantino (PSDB), Roberto Teixeira (PSDB),  Sergio Santana (PR) terem mentido para a categoria e traído os funcionários públicos ao prometer não aprovar nada que não contemplasse, no mínimo, a inflação. Numa demonstração clara de sabujice, votaram na proposta que rebaixa os salários dos trabalhadores. Já os governistas Ademir Pestana (PSDB), Augusto Duarte (PSDB), Braz Antunes(PSD), Bruno Orlandi (PSDB) e Carabina (PSDB) seguiram a cartilha do patrão e aprovaram os projetos.

Já Chico Nogueira (PT), Telma de Souza (PT), Benedito Furtado (PSB), Audrey Kleys (PP), Rui de Rosis (PMDB), Zequinha Teixeira (PSD), Kenny Mendes (PSDB) e Fabrício Cardoso (PSB) mantiveram a palavra dada e votaram contra os projetos.

A categoria se concentra nesta sexta-feira, às 8 horas, na Praça Mauá. Às 19, acontece uma assembleia no Sindicato dos Petroleiros, na Avenida Conselheiro Nébias, 248, na Vila Mathias.

 

Comentários

Comentários

Ouça aqui: Em grampo, prefeito tucano de Santos é acusado de pedalada maior que a de Dilma

Cubatão entra no 15º dia de greve e o impasse continua