Home»REGIÃO»Capital»PM mata publicitária com tiro na cabeça em São Paulo

PM mata publicitária com tiro na cabeça em São Paulo

Para tomar partido de uma amiga em briga num posto de gasolina, um soldado da Polícia Militar matou a publicitária Maria Cláudia Pedace, 33 anos, com um tiro na cabeça, neste domingo (12). A vítima foi morta na frente do namorado e da filha, de 2 anos.

Da Redação com Informações da Folha

Para tomar partido de uma amiga em briga num posto de gasolina, um soldado da Polícia Militar matou a publicitária Maria Cláudia Pedace, 33 anos, com um tiro na cabeça, neste domingo (12). A vítima foi morta na frente do namorado e da filha, de 2 anos. O caso aconteceu, de acordo com testemunha, por conta de uma discussão em um posto de combustíveis na Vila Ré, zona leste da cidade.

Segundo a Polícia Civil, o caso ocorreu no início da madrugada de domingo. O namorado, que dirigia o carro no qual se encontravam Maria Cláudia e a criança, passou por cima do pé de uma mulher que estava em um posto de combustível, na rua Itinguçu.

De acordo com a polícia, após o acidente, essa mulher chamou os amigos, incluindo o PM de folga, que também estava no local.

Segundo testemunhas, o soldado, que não teve o nome divulgado, pediu para que o namorado de Maria Cláudia parasse o carro. O motorista não atendeu o pedido e saiu do posto. Foi então que o PM efetuou o disparo, segundo a polícia.

Após atingir a mulher na cabeça, o policial fugiu. Depois de algum tempo, apresentou-se no batalhão onde trabalha e foi preso. Ontem à tarde, o PM foi levado para o presídio militar Romão Gomes, no Tremembé, na zona norte.

O PM é acusado de homicídio doloso (com intenção de matar). Segundo a Polícia Civil, ele se negou a prestar depoimento. A PM informou que o caso será investigado pela Corregedoria e que o suspeito pode ser expulso.

A mulher que teve o pé atingido pelo carro sofreu ferimentos leves. Ela disse à polícia que o namorado de Maria Cláudia tentou atropelar as pessoas que estavam no posto de combustíveis, entre elas o policial.

No entanto, um motorista de Uber que passava pelo local no momento do caso relatou à polícia uma versão diferente do ocorrido.

Ele afirma que o namorado de Maria Cláudia não tentou atropelar as pessoas e que apenas tentava deixar o posto com a namorada e a filha dela. O homem estaria sendo perseguido por um grupo de pessoas. O casal namorava há poucas semanas.

Na última quinta (9), outro caso envolvendo um policial causou a morte do vendedor ambulante João Joaquim de Souza, 54, na Barra Funda.

O policial atirou enquanto perseguia um suspeito de roubo. O disparo acertou o peito de Souza. Neste caso, o policial prestou depoimento e foi liberado em seguida.

Comentários

Comentários

Fórum de Cultura de São José reage ao desmonte do governo tucano

Doria promove vitaminas da Ultrafarma para pagar dívida de campanha