Home»Sem categoria»Site de Eduardo Suplicy é hackeado por apoiadores de Bolsonaro

Site de Eduardo Suplicy é hackeado por apoiadores de Bolsonaro

Invasão digital ocorreu após ex-senador ser detido por participar de resistência a reintegração de posse

Do Brasil de Fato

A página online de Eduardo Suplicy (PT) foi invadida nesta quarta-feira (27) por apoiadores do deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ). A ação dos hackers ocorre dois dias após o ex-senador paulista ter sido detido pela Polícia Militar por participar de um processo de resistência contra uma reintegração de posse na região oeste de São Paulo (SP).

No lugar do site de Suplicy, os invasores digitais deixaram uma foto do político sendo carregado por policiais e uma mensagem de ódio.

“Fala ai, como que ta otário? Aproveitando da situação para ganhar eleitores né seu merda? Você foi desconfigurado, petista inúteo. Respeita o bonde! #bolsomito2018”.

Caso

A PM encaminhou Suplicy ao 75º Distrito Policial sob as alegações de obstrução da Justiça e desobediência, por deitar-se no chão para impedir o avanço da Tropa de Choque contra famílias que estavam sendo despejadas de área de propriedade da Prefeitura paulistana, que alega ter requerido a reintegração de posse pois se trata de área de risco. Segundo a decisão da 9ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo, que acatou o pedido, o local apresenta possibilidade de deslizamento, por ser região de encosta.

Após deitar-se no chão junto com moradores da ocupação Terra Pelada – na qual moravam cerca de 400 famílias –, Suplicy foi carregado por quatro agentes.

“A hora que vi um grupo de PM avançando com escudos, e atrás vinha uma retroescavadeira, e do outro lado os moradores, temi que pudesse acontecer uma cena de violência quase incontrolável e pensei ‘vou me sentar aqui para evitar qualquer violência’”, declarou Suplicy ao portal Rede Brasil Atual.

A administração municipal informou que os moradores foram cadastrados em programas habitacionais e vão receber auxílio-aluguel.

Comentários

Comentários

Campanha cria mobilização contra projeto de lei do Escola Sem Partido no Estado de São Paulo

MP investigará dívida da Alstom perdoada por Alckmin