Home»REGIÃO»Capital»Mortes no trânsito caem 18,5% na capital paulista em relação ao primeiro semestre do ano passado

Mortes no trânsito caem 18,5% na capital paulista em relação ao primeiro semestre do ano passado

A equipe do prefeito Fernando Haddad (PT) atribui a melhora nas estatísticas ao Programa de Proteção à Vida, lançado no começo da gestão

Da Redação

A quantidade de mortes no trânsito caiu 18,5% no primeiro semestre de 2015, em comparação ao mesmo período de 2014. Dados consolidados da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) mostram queda de 26% no número de motoristas e passageiros mortos, de 16% de pedestres e de 14% dos motociclistas. Acidentes fatais envolvendo ciclistas caíram quase pela metade, de 28 casos nos primeiros seis meses de 2014 para 15 entre janeiro e junho de 2015.

Os números foram anunciados nesta terça-feira (29), na Chácara do Jockey. O prefeito Fernando Haddad (PT) atribuiu a queda do número de mortes ao conjunto de medidas do Programa de Proteção à Vida, implantado desde 2013, no início da atual gestão.

Para marcar a redução no número de óbitos, a Prefeitura vai plantar em parques e clubes da cidade uma árvore para cada uma das 118 mortes evitadas. As mudas serão distribuídas na Chácara do Jockey (30), Ceret (30), Parque Tietê (20), CDC Brasilândia (18), Pelezão (10) e Vila Alpina (10). O prefeito realizou o plantio de uma dessas mudas na Chácara do Jockey, que deve ser aberta à população como parque municipal no primeiro semestre de 2016.

Também foi divulgado nesta terça o índice anual de mortes no trânsito a cada 100 mil habitantes, que passou de 10,35 para 9,45 de 2014 para 2015. A meta de São Paulo é reduzir para 6 mortes a 100 mil habitantes até 2020, de acordo com compromisso firmado pela cidade com a ONU para a Década de Segurança Viária.

Comentários

Comentários

  • Leon Brancaleone

    Aguardem 2016. Teremos uma ótima surpresa: na hora da comparação, Haddad vai levar fácil, fácil!
    De novo.

Gestão Haddad consegue na Justiça o bloqueio de bens de integrante da Máfia do ISS

Servidor público estadual teve aumento expressivo de patrimônio em dois anos