Home»REGIÃO»Capital»Número de motoristas que usam carro diariamente em São Paulo cai de 56% para 45%

Número de motoristas que usam carro diariamente em São Paulo cai de 56% para 45%

Paulistanos gastam oito minutos a menos para se deslocar em comparação com o ano anterior

A 9o Pesquisa sobre Mobilidade Urbana, feita pelo Ibope especialmente para o Dia Mundial Sem Carro mostra que o número de motoristas paulistas que usam diariamente automóveis caiu de 56% para 45 % se comparado ao mesmo período em 2014.

Foram entrevistados 700 moradores na capital com mais de 16 anos, em entrevista encomendada pela Rede Nossa São Paulo, em parceria com a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP), entre os dias 28 de agosto e 5 de setembro.

O estudo também indicou que os moradores de São Paulo estão gastando, em média, oito minutos a menos com deslocamentos, também em comparação com a ano anterior. Entre os que utilizam carro todos os dias, houve uma queda de cinco minutos na locomoção. A média de quase a metade dos paulistanos (48%) leva pelo menos duas horas por dia, considerando o total.

Entre as principais conclusões da pesquisa estão:

– Posse de carro: 60% têm e 40% não têm. A região da cidade com menos posse de carros é o Centro, com 46%. E a maior é a Oeste, com 67%.

– Utilização do carro de passeio: 32% usam todos os dias ou quase todos; 36%, de vez em quando; 25%, raramente. Entre quem possui automóvel, o uso de todos os dias ou quase diminui de 56%, em 2014, para 45%, em 2015.

– Uso diário de um ou mais meios de transporte: 28% dos entrevistados se locomovem a pé; 25%, de transporte coletivo; 18%, de carro; e 3%, de bicicleta.

– Transporte público coletivo: 25% usam todos os dias; 19%, quase todos os dias; 34%, de vez em quando; 15%, raramente; e 6%, nunca. Quando questionados sobre o que os fariam usar o transporte público coletivo, 36% respondem “mais linhas de transporte público coletivo que cubram percursos que não cobrem atualmente”; 27%, “existência de mais e melhores corredores de ônibus, faixas exclusivas e linhas de metrô”; e 22%, “melhoria nas condições físicas do transporte público coletivo/ mais conforto”.

– BICICLETAS: 7% afirmam usar bicicletas todos os dias ou quase todos os dias. Entre os que não usam, 44% afirmam que usariam caso houvesse mais segurança; 18%, se tivesse mais sinalização nas ruas; 13%, mais ciclovias (em 2014, esse número era 26%). Outro dado relevante: em 2007, 34% afirmam que não usariam bicicleta em São Paulo “de jeito nenhum”; em 2014, eram 24% e, em 2015, são 13%.

– Sobre construção e ampliação de ciclovias e ciclofaixas, 59% afirmam ser favoráveis e 38%, contrários.

– PEDESTRES: 40% afirmam que as faixas de pedestres estão sendo “mais respeitadas”; 48%, que estão “menos respeitadas”; e 9% não percebem mudanças. Em 2014, 33% disseram que as faixas eram “mais respeitadas” e 52%, “menos respeitadas”.

– ABERTURA DE RUAS PARA PEDESTRES E CICLISTAS: 64% declaram ser a favor de “aos domingos, utilização exclusiva de ruas e avenidas, como a Avenida Paulista, para lazer e circulação de pedestres e ciclistas “. 33% são contrários à medida.

Comentários

Comentários

Palestra do escritor cubano Leonardo Padura fecha o I Salão do Livro Político

Para Wall Street Journal, Haddad é um “visionário urbano”