Home»Bragança Paulista»Bragança Paulista realiza semana de mobilização contra a dengue

Bragança Paulista realiza semana de mobilização contra a dengue

Segundo secretário de Saúde do município, Frei Bento, é preciso conscientizar a população para que todos os focos sejam exterminados

Por Aline Campos

O Ministério da Saúde divulgou que em 2015, foram registrados 224.101 notificações de dengue no país até a o dia 7 de março. Destes, a região com maior índice é a Sudeste, sendo responsável por 64% dos casos. No estado de São Paulo, as localidades com maior incidência são Trabiju (com menos de 100 mil habitantes), Catanduva (com população na faixa entre 100 e 499 mil), Sorocaba (na faixa de 500 a 999 mil habitantes) e Campinas (com mais de 1 milhão de habitantes). Na faixa populacional de 100 a 499 mil habitantes, Catanduva aparece no topo da lista, com 8264 casos. Já o município de Bragança Paulista, localizado próximo a Campinas, outro detentor de altos índices de casos, apresentou apenas 40 casos confirmados, sendo 25 autóctones e 15 importados, e 286 notificados.

Em Bragança, entre os dias 23 e 28, a Prefeitura promove diversas atividades na Semana de Mobilização contra a Dengue e Febre Chikungunya. Ocorrerão capacitações para profissionais da saúde do município, além de ações educativas e mutirões de prevenção e remoção de focos de larvas. Em entrevista ao SPressoSP, o secretário de Saúde, Eurico Aguiar e Silva, também conhecido como Frei Bento, explica que o objetivo principal das ações desta semana é a diminuição das ocorrências de casos de dengue. Conscientizar a população para que todos os focos sejam exterminados. “A gente só vai combater a dengue se dermos as mãos”, destaca.
Confira a seguir.

SPressoSP – O que a população deve fazer para prevenir a dengue?
Frei Bento – A população precisa ficar mais atenta a todos os lugares, principalmente dentro da sua casa, onde pode ter esses focos. Vasos de plantas, piscinas, calhas, garrafas, pneus e lugares onde depois da chuva há acúmulo de água. Estes são os principais lugares onde encontramos as larvas. A gente precisa fazer a nossa parte.

SPressoSP – Qual o papel do poder público?
Frei Bento – Estamos capacitando ainda mais nossos agentes de saúde, profissionais de enfermagem e médicos, pra que possam melhor atender e orientar a população. No dia-a-dia, os agentes visitam as casas, orientam as pessoas. A gente pede às pessoas que deixem os agentes entrar, eles estão identificados com crachás da prefeitura. É muito importante essa visita. Também estamos preparando nosso pessoal para casos em que as pessoas já foram contaminadas pelo vírus, instruindo no que deve ser feito. Além de procurar um médico rapidamente, caso for notificado, é necessário tomar bastante água, ter uma alimentação leve e com qualidade. Caso tenha vômito e dores abdominais, é preciso ir ao hospital, porque o caso já está mais complicado. A orientação é importante porque a dengue se parece muito com a gripe. Muitas pessoas têm dengue e nem sabem.
Além disso, estamos com uma campanha na cidade, fazendo os arrastões, limpando aquilo que é de obrigação do poder público. Um grande problema encontrado e que a população precisa se conscientizar, é que limpamos terrenos baldios e logo já tem pneu, garrafa, entulho, tudo no terreno que já foi limpo.

SPressoSP – Quais os sintomas da dengue?
Frei Bento – A pessoa começa com dores no corpo e no fundo dos olhos, febre. Basicamente, os sintomas da gripe. Quando o quadro começa a se complicar, começam dores abdominais e manchas vermelhas na pele. Ao se direcionar para uma dengue hemorrágica, a pessoa começa com sangramento na gengiva, pelo nariz, nas fezes sai um sangue escuro e também pode vomitar com sangue. Esso já é um quadro pra internação hospitalar e cuidado intensivo.

SPressoSP – Existe tratamento?
Frei Bento – Na dengue clássica, o tratamento consiste em medicamento pra diminuir a febre, além de tomar bastante água, soro. Porém não há um medicamento para acabar com a dengue. Quanto a ser fatal, depende da resistência de cada um. Em idosos e crianças, costuma haver complicações. Geralmente, o mosquito da dengue pica nas pernas, porque não voa muito alto. Usar repelente ajudar a proteger. Quanto ao quadro da dengue, a clássica pode se tornar uma dengue hemorrágica, depende da resistência da pessoa. É preciso ficar atento. Se a pessoa tiver febre, manchas no corpo e começar a ter sangramento pelo nariz ou gengiva, não fique em casa. Dengue mata. O Instituto Butantã está trabalhando com a vacina, que deve ser liberada em 2018. O governo de São Paulo está vendo se consegue liberar em 2016, porque o mosquito se prolifera de forma diferente. Na França, já existe uma vacina que reduziu 66% dos casos, mas é uma vacina muito cara. A que está sendo produzida aqui, segundo informações que eu obtive, é mais eficiente e mais barata.

Comentários

Comentários

Lusa quer novo estádio no lugar do Canindé

“A Lusa precisa ampliar o seu patrimônio e o Canindé é a melhor saída”, diz presidente