Home»Sem categoria»Rapper leva arte, poesia e Hip-Hop para dentro da Fundação CASA

Rapper leva arte, poesia e Hip-Hop para dentro da Fundação CASA

Renan Inquérito vem visitando unidades da Fundação e realizando oficinas que misturam música, poesia e arte; intuito é aproximar os jovens da essência do rap em promover cidadania. “Acho fundamental trabalhar a base. Ao longo dos anos, o rap se distanciou um pouco desse trabalho e acho que é essencial retomar isso”; confira o vídeo 

Por Redação 

Resgatar a cidadania, apresentar a arte e voltar o olhar para aqueles que muitas vezes ficam esquecidos. Esses são os objetivos do rapper Renan Inquérito ao promover oficinas de poesia com internos da Fundação CASA. Com o projeto Parada Poética, criado há dois anos no interior de São Paulo em parceria com o fotógrafo Marcio Salata, Inquérito mistura música, poemas e artes visuais em uma tentativa de aproximar o público da arte, mas agora vai além das escolas e centros culturais e procura dialogar com jovens presos.

Em fevereiro deste ano, o músico esteve na unidade de São José do Rio Preto (SP), onde pode conversar com os adolescentes, contar um pouco da trajetória musical e poética, que se fundem em uma só, mostrar o livro #PoucasPalavras, que surgiu justamente após oficinas em uma unidade no interior de São Paulo e cantar trechos de canções feitas ao longo de mais de 15 anos de carreira.

“Foi durante uma oficina na Fundação CASA que eu percebi que não existiam fronteiras entre meu rap e minha poesia. Não sei onde um termina e começa o outro. Na verdade, meu livro seu meus raps no papel e meus raps são minhas poesias cantadas. Foi quando tive a ideia de transpor tudo isso para um livro de bolso, em formato compacto e fiz uma poesia dedicada aos adolescentes. Nada mais justo do que retornar e devolver esse sentimento de gratidão e compartilhar a arte”, afirmou o rapper.

O artista já programa outras visitas em demais unidades da fundação. Para ele, dialogar com esse público é fundamental tendo em vista a própria essência do rap que trabalha nas oficinas.

“Acho fundamental trabalhar a base. Ao longo dos anos, o rap se distanciou um pouco desse trabalho, desse encontro com os jovens da Fundação CASA, com os estudantes, com os presidiários e acho que é essencial retomar isso, estabelecer essa conexão, ouvi-los, saber o que pensam e ter essa devolutiva”, disse.

Confira abaixo o vídeo de Inquérito com os internos da unidade de São José de Rio Preto:

Foto: Marcio Salata

Comentários

Comentários

Um dia no Cantareira: "Chegamos ao fim do mundo"

Modo Alckmin de governar: ajustes às custas de arrocho salarial dos servidores