Home»Sem categoria»“O policial me chamou e perguntou se eu queria dar a boceta pra ele. Doeu mais que a borrachada”

“O policial me chamou e perguntou se eu queria dar a boceta pra ele. Doeu mais que a borrachada”

A afirmação é de uma manifestante. Após ação da Polícia Militar em manifestação contra o aumento das tarifas de ônibus e metrô no último dia 9, a ativista encarava o PM que teria lhe acertado com o cassetete quando um outro agente teria a provocado. Vídeo mostra o momento do ataque verbal. Por conta da qualidade do áudio, SSP informou que irá apurar o caso

Por Igor Carvalho

Quando Fernanda Barreto Gueiros questionava o policial que ela identificou como seu agressor, após a manifestação convocada pelo Movimento Passe Livre (MPL) no último dia 9 de janeiro, ela diz ter ouvido uma provocação de outro agente: “tá encarando por que? Quer dar a boceta pra ele?”.

Segundo Fernanda, após a PM atirar bombas de gás contra a manifestação, ela e o namorado se abrigaram em uma padaria, que acabou sendo invadida pelos policiais. “Pegaram meu namorado, tinham seis espancando ele, fui tentar tirá-lo lá do meio e apanhei também. Daí, quando o prenderam na rua, amarrado com um ‘enforca-gato’ com mais alguns manifestantes, comecei a procurar o cara que tinha me batido.”

Após o imbróglio dentro da padaria e da prisão do companheiro, Fernanda conseguiu, ainda, localizar o policial que a agrediu. “Perguntei se ele não tinha coração, e fiquei ali parada na frente dele. Foi quando o outro me chamou e perguntou se eu estava o encarando porque queria dar a boceta pra ele. Doeu mais que a borrachada.”

Fernanda afirma ter descoberto, após analisar outras imagens, a identificação do policial que a agrediu, mas não tem coragem de delatá-lo.  “Tenho medo de ir à Corregedoria, não sei do que esses caras são capazes.”

Em resposta ao SPressoSP, a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo afirmou que irá apurar o caso: “O vídeo postado no Youtube está sendo avaliado pela Secretaria da Segurança Pública, uma vez que o áudio está muito ruim e não permite concluir, com clareza, o que o policial afirma à mulher que aparece na gravação.”

A discussão foi gravada por outro manifestante. Confira o vídeo:

Comentários

Comentários

SP é o estado onde mais LGBTs foram assassinados em 2014, diz estudo

Nabil Bonduki é o novo secretário de Cultura de São Paulo