Home»Sem categoria»Violência sexual na USP: “Nos aterroriza saber que esses jovens atenderão mulheres em seus consultórios”

Violência sexual na USP: “Nos aterroriza saber que esses jovens atenderão mulheres em seus consultórios”

Denise Motta Dau, da Secretaria Municipal de Políticas para Mulheres, comentou abusos e estupros na Faculdade de Medicina: “não é um relato, são vários, seguidos, das mais diversas formas em que essas mulheres são abusadas

Por Carolina de Assis, no Transtudo

Os casos de violência sexual contra alunas da Faculdade de Medicina da USP por parte dos próprios colegas de curso têm sido debatidos pela opinião pública e pelo poder público do estado de São Paulo desde o início deste mês, quando uma série de reportagens da Ponte denunciou a cultura de estupro e de silêncio da FMUSP em que proliferam os abusos. A Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do estado, presidida pelo deputado Adriano Diogo (PT), tem realizado audiências públicas sobre a questão, com o objetivo de ouvir estudantes e autoridades da universidade e apurar as denúncias sobre os abusos e estupros. Durante o programa Gabinete Aberto, realizado ontem (24/11) pela Prefeitura de São Paulo e em que Opera Mundi esteve presente, a secretária municipal de Políticas para Mulheres, Denise Motta Dau, se posicionou sobre o caso.

A secretária, que acompanhou a audiência pública realizada no dia 11 de novembro, disse ter ficado impressionada com os relatos das alunas sobre o sistema “pré-planejado” para abusar das garotas nas festas da FMUSP, com a venda de bebidas alteradas e as tendas com colchões e almofadas, os chamados “cafofos”, onde estudantes relataram terem sido abusadas e estupradas por colegas da universidade. “Não é um relato, são vários, seguidos, das mais diversas formas em que essas mulheres são abusadas nessas festas.” Motta Dau comentou também a tendência de culpar as vítimas, recorrente em casos de violência sexual contra mulheres, que segundo ela tem ocorrido nos debates entre alunos da universidade sobre os estupros e abusos.

Outra questão levantada pela secretária é o fato que a Faculdade onde prevalece tal cultura de violência contra mulheres é a mesma que formará profissionais de saúde. “Nos aterroriza saber que muitos desses jovens serão profissionais de saúde, que atenderão mulheres em seus consultórios particulares, no Sistema Único de Saúde, nos quais nós tanto queremos que respeitem os direitos sexuais e reprodutivos das mulheres.” A secretária reiterou a necessidade da apuração das denúncias e da reflexão sobre as relações sociais de gênero em que se baseia a cultura de estupro que viceja na FMUSP e em diversos ambientes universitários. “Mudar a cultura, fazer a apuração do que ocorreu na USP e repensar essas festas, as relações entre alunos e alunas, as relações sociais de gênero na universidade é fundamental.”

Segundo a Agência Brasil, a Faculdade de Medicina da USP irá promover, no próximo dia 27, uma congregação extraordinária para tratar das ações propostas pela Comissão de Direitos Humanos da Alesp após a audiência pública do dia 11. A reunião, no entanto, será fechada. Em nota, a instituição declarou que “a Faculdade de Medicina da USP se coloca de forma antagônica à qualquer forma de violência e discriminação (com base em etnia, religião, orientação sexual, social) e tem se empenhado em aprimorar seus mecanismos de prevenção destes tipos de casos, apuração de denúncias e acolhimento das vítimas.” A USP informou também ter criado uma comissão formada por docentes, alunos e funcionários com o objetivo de “propor ações, de caráter resolutivo quanto aos problemas relacionados às questões de violência, preconceito e de consumo de álcool e de drogas”, e ter aberto sindicância para apurar os casos de violência ocorridos em suas dependências. “Em caso de comprovação, a faculdade adotará as punições disciplinares, de acordo com o Código de Ética da USP”, diz a nota.

Foto de capa: Reprodução/Youtube

 

Comentários

Comentários

Sem comentário

Comente aqui

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Virada Inclusiva promove atrações culturais com acessibilidade

São Paulo: Moradias populares na Nova Palestina vão preservar mananciais