Home»REGIÃO»Capital»São Paulo: Moradias populares na Nova Palestina vão preservar mananciais

São Paulo: Moradias populares na Nova Palestina vão preservar mananciais

Com a decisão do prefeito Fernando Haddad, moradores de área ocupada pelo MTST, próxima à Guarapiranga, vão ter abastecimento de água e coleta de esgoto

Por Guilherme Franco

Com a alteração do decreto 51.713, de 2010, o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, autorizou a regularização de conjuntos habitacionais na estrada do M’Boi Mirim, na zona sul da capital. Com a decisão, 3.500 famílias terão acesso à moradia e terão serviços básicos de saneamento.

Ocupado pelo MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) desde 2013, o terreno de 1 milhão de m², localizado às margens da represa Guarapiranga, terá 30% da área destinada para conjuntos habitacionais, que cumprirão a lei das áreas de preservação e de mananciais. Os outros 70% serão doados à prefeitura para implementação de um parque.

Anderson Guahy, técnico da Sabesp e diretor do Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente de São Paulo (Sintaema), explica que a decisão do prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) traz benefícios aos moradores e ainda preserva o meio ambiente.

“O fato das moradias seguirem a legislação respeita a distância obrigatória dos mananciais. Além disso, os moradores poderão exercer o seu direito de ter serviços de saneamento, que é uma necessidade básica para sobreviver”, diz.

Segundo ele, as unidades habitacionais “receberão obras de manutenção, abastecimento de água e coleta de esgoto. Ao mesmo tempo, a Sabesp vai fiscalizar as moradias e evitar que o esgoto seja disposto nos mananciais”, conclui.

O MTST informa que sempre defendeu a compatibilização da construção de moradias com a preservação da área verde do terreno.A decisão da prefeitura cumpriu um compromisso firmado com o movimento em março deste ano.

As unidades habitacionais serão construídas pelo Programa Minha Casa Minha Vida Entidades com recursos do Fundo de Desenvolvimento Social (FDS). O projeto está sob a responsabilidade do MTST e após o aceite do Ministério das Cidades e da Caixa Econômica Federal, poderá iniciar as obras.

Comentários

Comentários

Violência sexual na USP: "Nos aterroriza saber que esses jovens atenderão mulheres em seus consultórios"

A Câmara Municipal que decretou feriado pela "Consciência branca"