Home»Sem categoria»Não era bomba, era Nescau

Não era bomba, era Nescau

De acordo com perícia do Gate, Fábio Hideki  portava um um frasco fixador para corantes, Rafael Lusvarghi, um pote de achocolatado; ambos estão presos há mais de um mês 

Por Redação 

Segundo os laudos da perícia realizada pelo Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) e pelo Instituto de Criminalística (IC) de São Paulo, apresentados nesta segunda-feira (4), os artefatos apreendidos com os manifestantes Fábio Hideki Harano e Rafael Marques Lusvargh em 23 de junho não eram explosivos, conforme aponta uma de suas acusações. 

Ambos estão presos há 44 dias e respondem por associação criminosa, resistência, desobediência, incitação ao crime e porte de explosivos.

Essa última imputação foi motivada pela apreensão de dois objetos em específico: com Lusvarghi, foi encontrado um pote de Nescau que a polícia julgou se parecer com um coquetel Molotov, alegando ainda que o manifestante tentou “dispensá-lo”; Com Hidéki, um frasco de fixador de corantes em tecidos com um fio de nylon que os policiais temeram ser um pavio. 

Na última sexta-feira (1º), o juiz Marcelo Matias Pereira decidiu manter os manifestantes presos, dizendo que “há depoimentos consistentes” que apontam que ambos carregavam “artefatos explosivos/incendiários”.  

Leia mais sobre o assunto: 

Perícia conclui que artefatos encontrados com Hideki não são explosivos

Comentários

Comentários

UFABC está entre as 18 melhores universidades do país

Manifestação em defesa da Palestina percorre ruas do centro de SP