Home»Sem categoria»Perícia conclui que artefatos encontrados com Hideki não são explosivos

Perícia conclui que artefatos encontrados com Hideki não são explosivos

Gate e Instituto de Criminalística relatam que objetos supostamente apreendidos com Hideki e Lusvargh não têm capacidade de ferir. ‘É outra prova que demonstra a ilegalidade da prisão’, diz advogado

Por Tadeu Breda, da RBA

Perícias realizadas pelo Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) da Polícia Militar e pelo Instituto de Criminalística (IC) de São Paulo apontaram que não são explosivos os artefatos supostamente encontrados com os manifestantes Fábio Hideki Harano e Rafael Marques Lusvargh em 23 de junho, quando foram detidos durante protesto na Avenida Paulista, na capital.

Os laudos foram entregues hoje (4) aos advogados de Hideki, que hoje mesmo ajuntaram ao processo os novos indícios e, depois, repassaram as informações à RBA. A PM confirmou que as perícias foram concluídas, mas “não irá divulgar seu conteúdo por não ser a titular do inquérito”. A Secretaria de Segurança Pública não quis se manifestar sob a alegação de que se trata de um assunto da esfera judicial.

Os policiais civis que participaram da prisão de Hideki e Lusvargh atestam que ambos portavam explosivos. Os ativistas negam, e são respaldados pelo testemunho de manifestantes que acompanharam e filmaram as detenções. Ainda assim, os promotores do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público acatou a versão dos policiais e levou a denúncia à justiça.

Os jovens respondem por associação criminosa, resistência, desobediência, incitação ao crime e porte de explosivos – acusação que agora deve cair por terra. Estão presos há 44 dias: Hideki, na penitenciária de Tremembé, a 150 quilômetros da capital, e Lusvargh, na carceragem do 8º Distrito Policial, no Brás, centro de São Paulo.

‘Bombas’

Hideki é acusado de trazer na mochila “artefato explosivo” ou “artefato incendiário de fabricação rudimentar”, segundo boletim de ocorrência lavrado pelos agentes do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) no momento da prisão.

Lusvargh estaria em posse de uma “garrafa de iogurte com forte odor de gasolina”. O frasco consta no boletim de ocorrência, mas não é mencionado pelos policiais na narração dos fatos. Os agentes que abordaram Lusvargh tampouco se referem à garrafa de iogurte em seus depoimentos.

De acordo com o Gate, os materiais foram construídos à base de material inerte, desprovido de qualquer tipo de substâncias explosivas ou inflamáveis. Os objetos apresentaram ainda resultado negativo para todos os testes práticos e químicos a que foram submetidos.

Por isso, dizem os peritos, não poderiam colocar em risco a integridade física das pessoas. O IC chegou a conclusão semelhante: os materiais não possuem composição química compatível com a de materiais explosivos, nem compostos inflamáveis comumente usados em coquetéis molotov.

‘Flagrante forjado’

“É outra prova que demonstra a ilegalidade da prisão”, avalia Luiz Eduardo Greenhalgh, advogado de Fábio Hideki. “Fábio foi vítima de um inquérito preparado e um flagrante preparado, que está se desmoronando.”

Greenhalgh lembra que o porte de explosivos era a principal acusação contra o manifestante – e o que justificava, perante a justiça, sua prisão preventiva. “Agora isso caiu. Quero que ele saia imediatamente da cadeia. Se não sair, ficará claro que se trata de uma prisão política.”

A Defensoria Pública, que representa Lusvargh, ainda não teve acesso ao laudo pericial do Gate e do IC, e preferiu não se pronunciar sobre as conclusões.

Alckmin

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, disse hoje (4) que a polícia age com “absoluto critério” garantindo o direito de manifestação, e afirmou que o trabalho das autoridades na prisão de Hideki e Lusvargh foi tão bem conduzido que a justiça ainda não teve como soltá-los.

“As pessoas acham que o governo prende e solta. Mas não temos o poder nem de prender nem de soltar. Tanto o trabalho da polícia foi bem feito que a Justiça não soltou”, alegou Alckmin, que é candidato à reeleição. O governador negou insinuações de que a polícia plantaria provas contra os manifestantes.

“Por que a polícia plantaria provas contra alguém? Os trabalhos da polícia são documentados. O trabalho da polícia é monitorado”, defendeu. “A polícia tem agido com absoluto critério garantindo o direito de manifestação. Infelizmente há infiltrados que começam a depredação.”

Comentários

Comentários

Entrevista com Juca Ferreira, secretário municipal de cultura

Falta d'água se espalha por SP