Home»Sem categoria»Herói pra quem? Coronel Telhada lança HQ com sua história

Herói pra quem? Coronel Telhada lança HQ com sua história

Personagem central é o ex-comandante da Rota e atual vereador pelo PSDB, que em 2012 incitou seus seguidores a perseguirem o jornalista André Caramante, a quem chamou de “notório defensor de bandidos”

Por Redação

telhada
Capa do HQ “Coronel Telhada em Quadrinhos”

O vereador Coronel Telhada (PSDB) acaba de lançar uma história em quadrinhos em que ele mesmo é o “herói”. A revista, lançada em São Paulo e no Rio de Janeiro, vai mostrar os tempos de policial do parlamentar.

Segundo o vereador, em entrevista ao site Universo HQ, a inspiração vem do cinema. Telhada acredita que pode repetir o sucesso do Capitão Nascimento, em Tropa de Elite 1 e 2. Na capa, o ex-comandante da Rota (assumiu em 2009) aparece imponente, empunhando uma arma apontada para o leitor.

Integrante da chamada “Bancada da bala”, grupo de vereadores ligados a Polícia Militar na Câmara Municipal, Telhada é mais um adepto do discurso do “bandido bom é bandido morto” e reconhecido por declarações no mínimo polêmicas, ou agressivas com quem critica a atuação da PM em São Paulo.

Em 2012, Telhada convocou seus seguidores a enviar mensagens à Folha de S. Paulo atacando o jornalista André Caramante, que havia produzido uma matéria criticando o vereador.

Caramante noticiou que Telhada usava sua página no Facebook para noticiar confrontos de policiais com civis, chamando-os de “vagabundos”. Após o chamado do vereador, o jornalista passou a ser ameaçado de morte e teve que sair de São Paulo.

Mais recentemente, em 2013, após inúmeros protestos e sessões encerradas com tumultos, o coronel Telhada conseguiu fazer ser aprovada, na Câmara Municipal, a Salva de Prata, maior honraria concedida pela Casa, à Rota.  A oposição vinha de movimentos sociais que há anos denunciam a violência policial em São Paulo.

Comentários

Comentários

Cine Belas Artes ganha possível data de reinauguração

Defensor diz que prisão de manifestantes em SP é mais política que criminal