Home»Sem categoria»Dilma estuda comprar terreno ocupado por MTST em Itaquera

Dilma estuda comprar terreno ocupado por MTST em Itaquera

A presidenta se reuniu com líderes do movimento e prometeu analisar a possibilidade de comprar o imóvel próximo a Arena Corinthians, onde vivem 4 mil famílias

Da Redação 

Depois de inúmeros protestos do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (o último reuniu mais de 15 mil pessoas), o Governo Federal estuda comprar a área ocupada próxima ao estádio do Corinthians, na zona leste de São Paulo. Mais de 4 mil famílias estão vivendo, desde o último dia 3, na ocupação conhecida como Copa do Povo.

Em visita a São Paulo no início do mês, a presidenta Dilma Rousseff recebeu líderes do MTST e prometeu analisar a possibilidade de comprar o imóvel.

O terreno, que tem 150 mil metros quadrados, pertence a Viver Incorporadora e, de acordo com as famílias que vivem no local, a área estaria sem uso social há pelo menos 20 anos. O movimento pede ao Governo Federal que desaproprie o terreno e o inclua em programas de moradia.

Ameaçados de serem expulsos por uma reintegração de posse, os militantes do movimento já disseram que vão resistir e continuar com as manifestações caso não haja nenhum acordo.

O juiz Celso Mazitelli, que já havia determinado a reintegração, adiou a emissão do mandato em audiência realizada nesta sexta-feira (23). Na ocasião, como não houve acordo entre o MTST e a empresa detentora da área, o juiz marcou uma nova audiência para o dia 16 de junho e, até lá, os membros da ocupação não poderão ser expulsos.

A Caixa, que tinha representantes na audiência desta sexta-feira, fará uma avaliação do terreno na semana que vem e, depois, a União vai analisar a viabilidade de comprar a área para inclui-la no programa Minha Casa, Minha Vida.

Na época em que foi comprado pela incorporadora, a área valia R$5 milhões. O valor estimado do terreno para que o Governo faça a desapropriação, agora, é de R$20 milhões.

A Viver Incorporadora afirmou, por meio de nota, que acordou com a Justiça um prazo de 20 dias para que a União apresente uma proposta que “preserve os direitos da companhia”.

Foto de capa: Igor Carvalho

 

Comentários

Comentários

Paulistas marcam adeus a Alckmin

Parlamentares querem barrar aumento da tarifa do pedágio