Home»Sem categoria»Mulheres tomam a avenida Paulista

Mulheres tomam a avenida Paulista

Em sua 4ª edição na cidade, Marcha das Vadias reuniu centenas de pessoas para dizer que sexo sem consentimento é estupro

Por Ivan Longo 

O tema da edição deste ano é "Quem cala não consente". (Fotos: Ivan Longo)
O tema da edição deste ano é “Quem cala não consente”. (Fotos: Ivan Longo)

Em sua 4ª edição em São Paulo, a Marcha das Vadias ocupou, hoje, parte da avenida Paulista. O tema da manifestação, neste ano, foi “Quem cala não consente”, que reforça a ideia de que sexo não consentido também é estupro.

“É um grito que a gente adotou contra a cultura do estupro, que considera que a mulher enquanto estiver calada é por que ela quer”, explicou Andrea, de 19 anos que faz parte do coletivo que organiza a Marcha das Vadias, que preferiu não revelar o sobrenome.

“Por exemplo, quando uma mulher vai pra balada e um cara se aproxima dela, puxa pela cintura e tenta beijar. As vezes ela se sente intimidada, e não consegue falar não. Ele interpreta aquilo como um sim e faz o que ele quiser fazer”, exemplifica Andrea.

Segundo dados divulgados pelas organizadoras da marcha, 64% dos estupros ocorrem na casa da vítima e apenas 18% em vias públicas.

Passeata

Reunidas no vão livre no Masp desde às 11h da manhã, onde ocorreu a confecção de cartazes e performances artísticas, as mulheres seguiram em marcha, por volta das 14h20, sentido rua Augusta, onde desceram até a Praça Roosevelt, local em que terminou o protesto. Cerca de mil pessoas fizeram parte da passeata, que tomou todas as faixas da avenida Paulista sentido Consolação.

Ao som de bateria, as mulheres entoavam músicas em que enfatizavam os direitos que têm sobre o próprio corpo e convocavam o público que estava na rua a integrar a luta contra o machismo.

A passeata bloqueou todas as faixas da Av. Paulista sentido Consolação.
A passeata bloqueou todas as faixas da Av. Paulista sentido Consolação.

Entre outras reivindicações, as manifestantes não deixaram de lembrar da Copa do Mundo, com gritos como “da Copa eu abro mão, do feminismo, não”.

Corpo nu

A Marcha das Vadias ficou conhecida mundialmente principalmente pelo fato de que muitas mulheres utilizam do próprio corpo para protestar, o que chama muito a atenção da imprensa e das pessoas de uma forma geral. Mostrar os seios tornou-se um símbolo de luta pelo direito de escolher a maneira como lida com o próprio corpo sem ser julgada ou culpabilizada.

Alguns coletivos feministas, no entanto, são críticos em relação a essa postura, alegando que a exposição do corpo só reforça sua objetificação.

Na marcha deste ano, apesar de minoria, havia mulheres que fizeram questão de expor os seios e protestar dessa maneira. “Eu acho que a falta de roupa é a forma de atrair a grande mídia e uma forma oportunista de aproveitar o marketing fazem em cima da mulher nua. Eu acho super certo. A partir do momento que estamos passando a mensagem de um oprimido, as pessoas têm que aceitar. A gente não tem voz na sociedade. Qualquer tipo de manifestação dessa voz é válida”, explicou Valesca Pinheiro, uma seguidora da Marcha de 19 anos, que estava com os seios à mostra.

Mostrar os seios tornou-se símbolo da luta pela autonomia do próprio corpo.
Mostrar os seios tornou-se símbolo da luta pela autonomia do próprio corpo.

Andrea, da organização do protesto, também falou sobre o assunto. “É uma minoria das mulheres que vem na marcha e que expõe o corpo, mas é justamente essa parte que interessa à mídia. Porque é muito fácil chegar e tirar foto de uma mulher seminua e expor do jeito que eles querem, como se fosse uma Playboy, quando na verdade não é. A gente é sempre favor da escolha da mulher e contra a culpabilização da vítima”, explicou.

O protesto nasceu em 2011 em Toronto, no Canadá, quando uma vítima de violência sexual  foi culpabilizada. Na época, disseram que suas roupas e seu comportamento eram dignos de uma “vadia”, algo que até hoje é muito comum não só no Brasil, como em diversos países do mundo. Na cidade canadense, o movimento nasceu como Slut Walk e aqui se tornou a Marcha das Vadias.

Crédito foto de capa: Paulo Ermantino

 

 

 

Comentários

Comentários

  • André Ribeiro

    E o Brasil sempre atrasado! Simone de Beauvoir deve estar rindo no céu fazendo roupinha de tricô para os anjinhos! Monte de mulher feia, ne?

Esqueça um livro na Praça Roosevelt

Começou a Virada Cultural Paulista