Home»Sem categoria»Professoras vetadas em concurso marcam nova avaliação

Professoras vetadas em concurso marcam nova avaliação

Proibidas de lecionar por causa de obesidade mórbida, Bruna Giorjiani e Ana Carolina Buzzo terão nova perícia

Por Redação

Bruna Giorjiani e Ana Carolina Buzzo conseguiram agendar nova avaliação médica, após serem proibidas de lecionar na rede pública estadual. As professoras passaram no concurso da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo em novembro do ano passado. Entretanto, uma avaliação do Departamento de Perícias Médicas do Estado (DPME) decidiu que elas tinham “obesidade mórbida” e não podiam ocupar o cargo.

No edital do concurso, não consta nenhuma especificação sobre o peso ideal para ser uma professora. Bruna, de São José do Rio Preto, contou ao SpressoSP que não esperava passar por essa situação. “No concurso passado houve alguns casos como o meu, e sei que todas as meninas ganharam a causa. Antes do concurso passado eu nunca tinha visto isso ocorrer e, depois que as meninas conseguiram seus cargos, pensei que o Estado não recorreria no erro”, disse.

Cadu Mendonça Ferreira, amigo de Ana Carolina, iniciou uma campanha na internet para apoiá-la. Vários ex-alunos da professora de Araraquara divulgaram mensagens de apoio, afirmando que não sabiam o seu peso, mas sim o que ela havia ensinado a eles. A frase “Nunca soube o IMC” circulou em diversas fotos do Facebook.

Ambas recorreram da decisão por considerarem injusta. “Esse critério, até onde tenho visto e procurado saber, é inconstitucional”, declarou Bruna. As professoras declararam que são saudáveis, apesar de terem o Índice de Massa Corporal (IMC) indicando obesidade mórbida, de acordo com os termos da Organização Mundial de Saúde (OMS).

A nova avaliação de Ana Carolina e Bruna está marcada para a manhã desta terça-feira (18), segundo o site Araraquara.com. Caso a perícia reprove as professoras novamente, elas poderão recorrer ao secretário de Gestão Pública do Estado de São Paulo. Em última instância, um processo jurídico por meio de um mandato de segurança pode ser iniciado.

(Créditos da foto da capa: Reprodução/Facebook)

Comentários

Comentários

Vereadores querem mais diálogo e peitam Haddad

Servidores da UFSCar entram em greve