Home»REGIÃO»Capital»Roubos de carga aumentam em São Paulo

Roubos de carga aumentam em São Paulo

Maioria das ocorrências se deu na capital em 2013; aparelho antirrastreamento facilita os ataques

Por Redação

(Post atualizado às 13h55)

Aumento de casos foi maior em Jundiaí (foto: Teofest)
Crescimento foi maior em Jundiaí: 120% (foto: Teofest)

As ocorrências de roubo de cargas aumentaram 8,4% no Estado de São Paulo em 2013, ante a quantidade de registros verificada em 2012. Foram 7.959 roubos no ano passado, de 7.344 no ano anterior. Mais da metade dessas ocorrências se deu na capital, com 4.581 registros em 2013, de 4.353 em 2012 (aumento de 5,24%).

No interior também vem se verificando aumento nos casos de roubos de cargas. Em Campinas, a 93 km da capital, o número de ocorrências passou de 425 para 657 no mesmo período (um aumento de 54,5%). Em Jundiaí, a 58 km de São Paulo, o aumento foi ainda maior: 120% (de 55 ocorrências para 121). Os dados são da Secretaria de Segurança Pública do Estado.

Jammer

O roubo de cargas tem sido facilitado pelo uso do “jammer”, um bloqueador de celulares de alta potência usado por quadrilhas especializadas para impedir a comunicação entre o veículo e a empresa. O aparelho é de uso restrito no Brasil, mas pode ser encontrado facilmente na internet. O jammer bloqueia sinais de sistemas de comunicação como o GPS, que são usados pelas transportadoras para rastrear veículos e evitar ataques.

No início desta década, foram registrados os primeiros “desaparecimentos” com o uso de bloqueadores.
Agora, o jammer vem sendo associado a uma nova escalada desse tipo de crime. Segundo dados ainda parciais da NTC & Logística, entidade que reúne grandes transportadores, os registros de roubos de carga devem ultrapassar os 15 mil em 2013 em todo o país.

Segundo reportagem da “Folha de S. Paulo” desta quarta-feira (5), a venda do dispositivo antirrastreamento é controlada pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações). Apenas os 10 tipos homologados pela agência podem ser legalmente comercializados, mas para uso restrito ao sistema carcerário.

Na internet, segundo a reportagem, sites brasileiros vendem o jammer com frete grátis, parcelamento em até 24 vezes e preços que variam de R$ 110 a R$ 2.000.

Desde 2009, a Polícia Federal já realizou 19 operações contra quadrilhas de roubos de carga. Segundo o delegado responsável pelo setor, Luís Flávio Zampronha, 430 pessoas foram presas. Entre eles, especialistas do setor de telecomunicações.

Comentários

Comentários

São Paulo é o 57º lugar mais caro para se viver no mundo

Mesmo com chuvas, Cantareira não para de secar