Home»Sem categoria»Entre a rua e o Plebiscito, um marqueteiro

Entre a rua e o Plebiscito, um marqueteiro

Por Rodrigo Vianna

As informações que chegam de Brasília dão conta de que “lideranças” do PT teriam consultado o marqueteiro João Santana para compreender o que explica a queda de Dilma nas pesquisas, e o que pode acontecer até 2014. Os profissionais – assustados há duas semanas, parecem já se refestelar nas poltronas dos gabinetes refrigerados. Na campanha eleitoral, ocorreu o mesmo: certa “cúpula” petista estava divorciada das ruas e das redes, preferia ouvir o marqueteiro. E só.

Nessa toada, Dilma quase perdeu. Quando o segundo turno começou, Serra chegou a encostar, ficou a apenas 4 pontos de Dilma. O que mudou? A candidata esqueceu os conselhos do marqueteiro e dos assessores mais próximos, e decidiu fazer Politica.Partiu pra cima do Serra no debate da Band, reanimando militância e oferecendo um discurso que demarcava posições. Lançou Paulo Preto em pauta, cravou em Serra a responsabilidade pela boataria do “aborto”. Pouca gente viu o debate, mas a repercusão foi imensa. Ali, Dilma “virou” a pauta e consolidou a vitória.

Passada a eleição de 2010, o marqueteiro (e boa parte do PT) seguia a acreditar que a eleição foi ganha graças à campanha “profissional”. E, agora, o “profissionalismo” parece ter ganho de novo a parada.

Pressionada pelas ruas (e por uma campanha midiática que transformou o protesto legítimo em “campanha cívica” contra “tudo que está aí”), Dilma propôs a Constiuinte. A elite, a Globo com seus mervais e uma parte do STF com seus gilmares decidiram bater o pé. Ali, era hora de confrontar. Há muitos juristas que defendiam, sim, a possibilidade de fazer a Consituinte. Dilma voltou atrás. Ouviu os “profissionais”. E tomou a decisão “técnica”.

A foto acima mostra os “profissionais” em ação. Eles é que interpretam a “voz das ruas”? Que medo… O Plebiscisto precisa ser convocado pelo Congresso. Ok. Mas Plebiscito sem mudar a rota de governo, sem mudar ministério, sem compreender que o país passou por uma espécie de rebelião no mês de junho (e, ainda que essa rebelião tenha sido dominada e pautada pela classe média, parece evidente que ela teve efeitos concretos sobre a visão que a maioria dos brasileiros passou a ter em relação ao governo federal – as pesquisas de opinião atestam bem isso!), esse caminho escolhido por Dilma é o caminho para novo avanço conservador.

Acabo de ler, no Tijolaço, análise muito parecida. Fernando Brito escreve: Sem Dilma e sem povo, Reforma Política é para nada ou para nunca.

Já escrevi aqui que – na atual conjuntura e com a pauta dominada pelos conservadorismo do “contra tudo que está aí” (sim, essa pauta é conservadora) – o Plebiscito vai acabar com:

– ”rejeição do financiamento público de campanha”, e aprovação do voto distrital puro.

A pauta que domina as redes e ruas (e que Dilma se recusa a enfrentar) é a de que “não precisamos de partido” e de que “toda corrupção é culpa dos políticos”. Alguém acredita que será possível, por esse caminho, aprovar financiamento público?

O discurso da velha mídia em breve estará em campo, a influenciar redes e ruas:

–  ”financiamento público é dar dinheiro dos impostos para os políticos” (sem levar em conta que o financiamento privado gera uma estrutura corrupta, em que empresas e empresários – de lixo, transportes, da área financeira ou da construção civil –  são os verdadeiros donos de mandatos no Executivo, Legislativo e até no Judiciário);

– voto em lista é favorecer os “politicos” (o melhor é o voto distrital, com o “político” bem pertinho de você).

Despolitizado, rendido à lógica da marquetagem e de que “batalha da Comunicação é bobagem – basta o controle remoto”, o governo (e parte do PT) pode se transformar num omelete tão insosso como aquele que Dilma preparou com Ana Maria Braga quando ganhou a eleição.

Dilma fez a leitura correta dos fatos gerados pela Rebelião de Junho. Mas parou aí. Diagnóstico correto, ação tortuosa e confusa. Dilma propôs a Constituinte, depois aceitou só o Plebiscito, e daqui a pouco nem isso terá (afinal Henriquinho, Renan e o PMDB já avisaram que “talvez seja melhor o Congresso aprovar a Reforma”, sem Plebiscito nenhum). Parece ter-se perdido (de novo?) na lógica do “gerenciamento técnico” e dos “profissionais”.

No caminho sinuoso entre a rebelião das ruas e o Plebicisto, deveria haver Política com “P” maiúsculo. Dilma e certo PT preguiçoso preferiram ouvir o marqueteiro e os “profissionais”. Parece esperteza, e pode ser que na ” bacia das almas” essas manobras pra lá e pra  cá ainda garantam vitória em 2014 (até pela falta de uma oposição de verdade). Ao abdicar da Política e do confronto (numa hora em que o confronto é inevitável), Dilma e o PT que a acompanha podem até ganhar no varejo. Mas a derrota política já estará dada. Derrota semelhante à que engoliu (e faz definhar) o PSOE na Espanha e o Partido Social Democrata Alemão.

O que pode mudar isso? A força que vem dos movimentos sociais e sindicais. E Lula. Só isso poderia mudar a pauta das ruas e das redes. Do contrário, é esperar pelo omelete. Os ovos já foram quebrados e a mesa do conservadorismo está posta.

Rodrigo Vianna é jornalista, pretende voltar a ser historiador em breve, e mantém o blog “Escrevinhador”

Leia outros textos de Rodrigo Vianna:

Tempo da “gestão técnica” fica pra trás: Helena e Bernardo viram peça de museu

Rebeliões de Junho: um mês sem fim

O futuro se escreve nas ruas

“Folha” e “Estadão” pediram ordem: Geraldo Alckmin atendeu

Portos e petróleo: Requião vê rendição ao neoliberalismo

Comentários

Comentários

Sem túnel, avançamos em direção das prioridades da cidade

Cremesp paga táxi e hora extra para funcionários irem a ato de médicos na Paulista