Home»Política»Vereadores do PT assinaram projeto de Telhada de homenagem à Rota: A troco do quê?

Vereadores do PT assinaram projeto de Telhada de homenagem à Rota: A troco do quê?

Texto que pede a honraria cita desempenho da corporação na ditadura militar

Por Conceição Lemes, no Viomundo

Alfredinho, líder da bancada: “Ah, mas poderia ser uma homenagem por um gesto de bravura…” (Foto: Divulgação)

Pelas normas da Câmara Municipal de São Paulo, todo vereador  tem direito de propor oito honrarias durante a legislatura. O coronel Telhada (PSDB) quer homenagear a Rota (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar) com uma salva de prata.

Criada em 1970, a Rota tem até hoje uma história marcada pela violação dos direitos humanos e de violenta repressão, da qual se orgulha.

Mesmo assim, Telhada conseguiu o número necessário de assinaturas para apresentar o seu projeto.

Dos 55 vereadores da Casa, 34 assinaram, a começar por outros dois integrantes da chamada bancada da bala: Conte Lopes  (PTB) e o coronel Camilo (PSD) (veja lista completa abaixo).

Na lista, também figuram vereadores do PSDB (Andrea Matarazzo e Mário Covas, por exemplo), PV (Gilberto Natalini),  PPS (Ricardo Young), PMDB (Rubens Calvo), PSB (Noemi Nonato e Ota) e PRB (Jean Madeira).

Nenhuma surpresa.

O espantoso é que sete dos 11 vereadores do PT são signatários: Alessandro Guedes, Alfredinho, Arselino Tatto, Jair Tatto, Reis, Senival Moura e Vavá, todos na contramão da história do partido em defesa dos direitos humanos e da luta contra a ditadura.

Não assinaram: Juliana Cardoso, Nabil Bonduki, Paulo Fiorillo e José Américo. Orlando Silva (PCdoB) e Toninho Vespoli (Psol) também não.

No dia 6 de março, a justificativa da homenagem à Rota foi publicada na página 86 do Diário Oficial da Cidade de São Paulo

Três parágrafos chamam a atenção. Fazem apologia a ações da Rota contra os que lutaram contra a ditadura civil-militar, mencionando Carlos Lamarca e Marighela.

Mesmo assim, o projeto andou na Câmara Municipal.

Passou por unanimidade pela Comissão de  Constituição e Justiça com os votos de Goulart (PSD), Alessandro Guedes (PT), George Hato (PMDB), Conte Lopes (PTB), Sandra Tadeu (DEM), Eduardo Tuma (PSDB) e Arselino Tatto (PT).  A Comissão de Constituição e Justiça avalia a  legalidade da propositura, portanto analisa a formalidade.

Há duas semanas, no dia 26 de março, a homenagem foi questionada pela vereadora Juliana Cardoso (PT) na reinstalação da Comissão da Verdade  da Câmara Municipal, que leva o nome de Vladimir Herzog, jornalista assassinado em 1975 nas dependências do DOI-Codi.

A Comissão da Verdade da Câmara Municipal é composta por oito membros: Natalini (presidente), Juliana Cardoso (vice), Covas Neto (relator), Rubens Calvo, Laércio Benko (PHS), Police Neto (PSD) e Ricardo Young. Apenas Juliana posicionou-se contra a homenagem.

“As ações da Rota ocorridas durante a ditadura ferem os direitos humanos e não queremos esse tipo de postura na sociedade”, justifica a vereadora petista. “Além disso, seria um desrespeito completo com as famílias das vítimas.”

“Fiquei espantada quando soube do projeto de homenagear a Rota. Trata-se de um projeto fora de propósito”, continua Juliana. “No momento em que pelo Brasil afora as Comissões da Verdade buscam elucidar acontecimentos nebulosos da época da ditadura e o Estado brasileiro se desculpa pelas atrocidades cometidas naquele período da nossa história, essa homenagem vai na contramão.”

Os colegas tentaram convencer Telhada a retirar a homenagem. O coronel só admitiu mudar trechos da justificativa, o que aconteceu na semana passada. Apenas dois dos três parágrafos referentes a Lamarca e Marighela foram retirados.

Diante da tamanha repercussão negativa que a homenagem à Rota teve, vereadores do PT tentam correr atrás do prejuízo. A bancada já divulgou nota, dizendo que vai votar contra.

“Nós obrigamos ele a tirar a parte da ditadura”, diz Arselino Tatto, que na Comissão de Constituição e Justiça ajudou a aprovar o projeto. “Agora, vou votar contra.”

O líder Alfredinho tenta se explicar.

– Houve o pedido protocolar de assinaturas, geralmente assina, depois se posiciona se vota a favor ou contra.

– Sete dos 11 vereadores do PT assinaram a proposta do Telhada. O senhor não acha um absurdo o PT assinar um projeto de homenagem à Rota? Não é incoerente com a história do partido?

– Quando a gente assina, não sabe ainda do que trata…

– Mas todos sabiam que era a favor da Rota!

– Ah, mas poderia ser uma homenagem por um gesto de bravura…

– Soube que o senhor orientou os vereadores a votarem a favor na Comissão de Constituição e Justiça.

– Em algumas votações isso acontece, mas nessa cada um votou como quis, eu não dei orientação.

– Mas o senhor não orientou mesmo a favor do projeto do Telhada?

– Não interferiiiiii…

Alessandro Gudes, vereador de primeira viagem, seguiu a orientação do líder Alfredinho e reconhece que também votou favoravelmente na Comissão de Constituição e Justiça sem uma melhor avaliação do projeto. Em português:  não leu a justificativa de Telhada.

“O mérito da proposta será avaliado pelo Plenário da Casa. Na oportunidade, votarei contra a homenagem, por entender que a atuação da Rota integrou o aparato repressivo montado pela durante a ditadura militar e violou normas de direitos humanos”, diz Alessandro. “Militantes foram perseguidos, presos, torturados, covardemente assassinados. E a Rota fez parte deste processo.”

A proposta de Telhada está agora na Comissão de Educação, Cultura e Esporte, que vai julgar o mérito nos próximos dias.

A vereadora Juliana Cardoso reforça: “Vou continuar combatendo o absurdo dessa propositura. É um desrespeito aos familiares das pessoas desaparecidas durante a ditadura militar”.

Uma pergunta óbvia fica no ar: sete dos 11 vereadores assinaram projeto de homenagem à Rota a troco do quê? Pragmatismo exacerbado? Oportunismo? Esqueceram-se que hoje só são vereadores por que muitos lá atrás lutaram contra a ditadura e foram vítimas da Rota?

Leia também:

Vereadores criticam nosso texto sobre homenagem de Telhada à Rota

 

 

Comentários

Comentários

“O hip hop é o antídoto contra o genocídio da juventude negra nas periferias”, diz Pirata

Comissão da Verdade de São Paulo ouve parentes de desaparecidos na Guerrilha do Araguaia