Home»REGIÃO»Capital»Sociedade civil debate violência contra população negra na cidade

Sociedade civil debate violência contra população negra na cidade

Participantes mostram números do Mapa da Violência 2012, que revela aumento no múmero de homicídios entre jovens negros

Por Danillo Oliveira

Encontro também promoveu o novo livro do Movimento Mães de Maio. (Foto: RenattodSousa/Câmara)

A Escola do Parlamento, da Câmara Municipal de São Paulo, organizou, na última sexta-feira (7), um encontro entre entidades da sociedade civil para discutir a violência contra a juventude negra em São Paulo. Participaram do evento a Secretaria Nacional da Juventude, Movimento Mães de Maio, Fórum Hip Hop de São Paulo e o Grupo de Trabalho da Campanha Contra o Genocídio da Juventude Negra.

Leia também:

Mano Brown pede o impechment de Alckmin na Assembleia Legislativa de São Paulo

Mães de Maio lançam livro contra a violência nas periferias

No evento, foram apresentados dados do estudo Mapa da Violência 2012. Segundo o levantamento, de 2002 a 2010, houve redução de 33% do número de homicídios de jovens brancos, enquanto jovens negros tiveram aumento de 23,4% no mesmo período.

Fernanda Papa, coordenadora-geral de Políticas Setoriais da Secretaria Nacional da Juventude, apresentou o Plano Juventude Viva, iniciativa do governo federal que pretende combater a violência. “Só as ações do plano não são suficientes para resolver a questão”, ressaltou Fernanda. O plano ainda não tem previsão de implementação em São Paulo.

A cooperação entre organizações da sociedade é vista como elemento fundamental para enfrentar a violência. “Para que a sociedade efetivamente avance, os atores sociais precisam dialogar e cooperar. Nenhum ator social pode isoladamente resolver os problemas sozinho”, disse Milton Bellintani, da Escola do Parlamento.

Danilo Dara, do Movimento Mães de Maio, avaliou como pontuais as recentes ações do poder público para conter a onda de violência na cidade. Ele acredita em mudanças efetivas por meio de transformações estruturais no Estado. “Para mudar de fato essa realidade, a transformação tem que acontecer pela raiz do problema.”

Representado pelo rapper Pirata, o Fórum Hip Hop do Município de São Paulo tem em vista o desafio para 2013 e o diálogo com o novo prefeito Fernando Haddad (PT). “A gente sabe que vamos ter que dialogar com a próxima administração”, disse o artista, que colabora na organização de atividades culturais na periferia.

No final do encontro, os convidados e o público foram até o auditório externo Freitas Nobre, onde foram realizadas intervenções culturais e apresentações.

Comentários

Comentários

Defensoria move ação civil pública para garantir saneamento básico em comunidade

Últimos moradores da Vila Itororó podem ser despejados sem alternativa de moradia adequada