Home»Sem categoria»O apagão do PSDB e o mensalão midiático do colunismo brazuca

O apagão do PSDB e o mensalão midiático do colunismo brazuca

Por Renato Rovai 

A maior parte dos brasileiros não deve ter a menor saudade do PSDB no governo, até por isso o partido nunca mais voltou ao poder. Mas também não há quem pareça feliz com o que os tucanos fazem na oposição. Exceto a turma do bloco midiático e da banca, o último lance dos caciques do partido desagradou a todos.

O movimento conjunto dos governadores tucanos de São Paulo, Minas e Paraná contra a diminuição do valor no preço da conta de luz só se justifica a partir de uma fé cega no financismo mais barato. Importa mais para os tucanos o quanto acionistas das empresas podem vir a perder, do que quanto os cidadãos e o sistema produtivo podem vir a ganhar com o movimento liderado pela presidenta da República.

Além dos rentistas do capital financeiro, outro setor que parece ter lucrado bastante com o cavalo de pau dos tucanos foi o dos colunistas de caderneta. Você não sabe o que é colunista de caderneta? Explico: há uma turma que além de receber o salário dos veículos para onde trabalha, também é agraciada com convites para palestras e eventos de bancos e empresas do sistema financeiro. Alguns chegam a cobrar de 50 a 100 mil pelas palestras. Evidente que os banqueiros estão dando de ombros para as obviedades que eles têm a dizer . Mas ficam muito felizes em poder tê-los como porta-vozes nos seus veículos.

Pagam não pelas palestras, mas que pelas colunas que fazem. Esse mensalão midiático é que garante que contra todas as evidências, alguns não arredem pé do discurso pró-banca.

Infelizmente ainda há quem acredite na boa fé dessa turma. Mas isso está diminuindo bastante. Tanto que o PSDB não elegeu um prefeito sequer nas capitais da regiões Sul, Sudeste e Centro Oeste. E estes colunistas não são comentados para além de alguns gabinetes de Brasília.

Aliás, faria enorme bem à política brasileira acabar com o clipping que a Radiobrás faz de jornais e revistas e que todos os ministros e seus principais assessores recebem. Aquilo é um falso recorte do que se debate no país. Não faz o menor sentido ainda existir. E, pior, pautar alguns dos que o recebem.

Renato Rovai é jornalista e editor da Revista Fórum. 

Leia outros textos de Renato Rovai:

Niemeyer deixa a vida sem morrer

Relatório Leveson: A Inglaterra e a regulamentação independente da imprensa 

O caso Rosemary e a mão que balança o berço

Do Baú do STF: Episódio 1 – Daniel Dantas e Guarani-Kaiowa

Comentários

Comentários

Estacionamentos de São Paulo terão que reservar 5% das vagas para bicicletas

#ChurrascãodasCabras protesta contra homofobia