Home»Sem categoria»Morre, aos 104 anos, o arquiteto Oscar Niemeyer

Morre, aos 104 anos, o arquiteto Oscar Niemeyer

Um dos maiores expoentes da arquitetura moderna estava internado desde o dia 2 de novembro. Veja algumas das suas principais obras 

Da Redação

Oscar Niemeyer trabalhou na construção de Brasília (Foto: Ricardo Stuckert/PR)

Morreu na noite desta quarta-feira, 5, aos 104 anos, o arquiteto brasileiro Oscar Niemeyer. O arquiteto estava internado, desde o dia 2 de novembro, com um quadro de desidratação, problemas renais e digestivos.

Leia também:

Niemeyer deixa a vida sem morrer

Oscar Ribeiro de Almeida de Niemeyer Soares, natural do Rio de Janeiro, é considerado um dos nomes de maior relevância da arquitetura moderna. Formado engenheiro e arquiteto, em 1934, pela Escola Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro, Niemeyer ficou conhecido por seus projetos em concreto armado e fez fama internacional na década de 40.

Entre as suas obras mais importantes destacam-se: o conjunto da Pampulha, o Edifício Copan, a sede das Nações Unidas, o conjunto do Parque Ibirapuera, e a criação de Brasília, trabalhou no plano piloto junto à equipe de Lucio Costa. Recentemente projetou o Sambódromo do Rio de Janeiro, o Memorial da América Latina, em São Paulo, e o Museu de Niterói.

Política

Em 1945, Niemeyer ingressa no PCB (Partido Comunista do Brasil), entrando assim em contato com Luiz Carlos Prestes e outros dirigentes do partido. Ao longo de sua trajetória no PCB, o arquiteto construiu amizades com líderes socialistas de todo o planeta, entre eles o comandante da revolução cubana, Fidel Castro. O arquiteto também visitou por diversas vezes Cuba, União Soviética e países socialistas do leste europeu.

Em 1966, impedido de trabalhar no Brasil pela ditadura militar, Niemeyer mudou-se para Paris. Lá projetou a sede do Partido Comunista Francês, o Centro Cultural Le Havre, atualmente chamado de Le Volcan, além de outras obras na Argélia, Itália e Portugal.

Após a anistia, o arquiteto retornou ao Brasil no início da década de 80. Foi nesta época que o arquiteto projetou os CIEP’s (Centros Integrados de Educação Pública) e o Sambódromo do Rio de Janeiro, durante o primeiro mandato de Leonel Brizola como governador.

Prêmios e Homenagens

Em 1988, Niemeyer tornou-se o primeiro brasileiro a vencer o prêmio Pritzker, considerado o Oscar da arquitetura. No mesmo ano, Niemeyer projetou o Memorial da América Latina, em São Paulo.

No seu aniversário de 100 anos, em 2007, Niemeyer recebeu inúmeras homenagens. Entre elas, a medalha ao Mérito Cultural, conferida pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em reconhecimento à sua contribuição para com a cultura brasileira. Na França, ele foi condecorado com o título de comendador da Ordem Nacional da Legião de Honra.

Como nunca parou de trabalhar, atualmente, em Santos, está em execução o projeto de Niemeyer para o museu Pelé. A  previsão é que a obra seja entregue ainda este ano.

Veja algumas obras de Oscar Niemeyer:

Pampulha – 1940 (Foto: rajiva / Flickr)
Congresso Nacional – 1958
Supremo Tribunal Federal – 1958 (Foto:Leandro’s World Tour / Flickr)
Supremo Tribunal Federal – 1958 (Foto: Thiago Melo / Flickr)
Palácio do Itamaraty – 1958 (Foto: Blog do Planalto)
Partido Comunista Francês – 1966 (Foto: Fernando Stankuns / Flickr)
Centro Cultural Le Havre – 1982 (Foto: createfrance.org)
Sambódromo do Rio de Janeiro – 1983 (Foto: ednei.west / Flickr)
Memorial da América Latina – 1987 (Foto: paulisson_m / Flickr)
Museu de Arte Moderna de Niterói – 1991 (Foto: Rosa / Flickr)
Auditório do Ibirapuera – 1999 (Foto:Fernando Stankuns / Flickr)
Museu Oscar Niemeyer – 2001 (Foto: Beth Castelo / Flickr)

 

 

 

 

Comentários

Comentários

Moradores denunciam violência e abusos em escola na Zona Sul

Mães de Maio lançam livro contra a violência nas periferias