Home»Sem categoria»Mães de Maio lançam livro contra a violência nas periferias

Mães de Maio lançam livro contra a violência nas periferias

No lançamento da obra “Mães de Maio, mães do cárcere – A periferia grita”, movimento pede paz e desmilitarização das polícias

Por Igor Carvalho

Livro “Mães de Maio, Mães do Cárcere – A Periferia Grita” (Foto: Igor Carvalho)

O movimento Mães de Maio, formado por uma rede de mães, outros parentes e amigos de pessoas assassinadas pelo Estado, lançou na última quarta-feira (5) seu segundo livro: “Mães de Maio, mães do cárcere – A periferia grita”. Com a participação de poetas da periferia, rappers e jornalistas, a publicação é um protesto do grupo contra a violência que, mais uma  vez, assola as periferias das cidades de São Paulo.

Leia também:

Clipe poético de Rodrigo Ciríaco provoca sobre violência nas periferias

HQ Desterro debate a periferia em nova linguagem

71% dos paulistanos não confiam em Alckmin no combate à violência

Para Danilo Dara, um dos editores da obra e membro do coletivo, “o livro, de forma especial, está dedicado às vítimas dos crimes de 2012 nas periferias.” O lançamento foi feito no Sindicato dos Jornalistas de São Paulo, na região central da cidade, e o presidente da instituição, Guto Camargo, ressaltou a importância do movimento contar sua própria história enquanto ela ocorre. “Somente agora, estamos estudando as resistências indígenas na construção da Transamazônica, ou a resistência à Ditadura Militar no Araguaia, é fundamental que vocês já estejam escrevendo nossa história.”

Para Débora Silva, fundadora das Mães de Maio,  há uma “evidente perseguição, aos jovens negros, periféricos e pobres”. “Exigimos que o Estado nos respeite. Esses jovens estão com sua pena de morte decretada nas periferias”, disse ela, emocionada durante o lançamento.

Conexão Brasil-Palestina

As Mães de Maio receberam o apoio do grupo Palestine Sunbird, através de seu fundador Qais Al-Hinti, que conheceu Débora no Fórum Mundial Social Palestina, que ocorreu no começo de dezembro, em Porto Alegre (RS). O ativista palestino passou por São Paulo para acompanhar o trabalho das mães e divulgar a causa palestina, e diz ter ficado “assustado com a violência em São Paulo”. Al-Hinti usou números palestinos para atacar os índices paulistanos. “Nos últimos ataques na Faixa de Gaza morreram 170 pessoas, fiquei muito surpreso ao saber que em São Paulo morreu muito mais gente”, comparou o ativista.

Débora se solidarizou aos palestinos e manifestou o desejo de levar o movimento para a terra ocupada por Israel. A fundadora das Mães de Maio também pediu a desmilitarização das polícias, antiga reivindicação do grupo e de outros movimentos sociais. “Queremos, também, uma polícia comunitária, não uma polícia que trabalha na base do ‘quem reagir, está morto’. No ritmo que estamos, daqui a pouco vão oferecer bolsa funerária nas periferias”, lamentou Débora, parafraseando o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB).

Comentários

Comentários

Morre, aos 104 anos, o arquiteto Oscar Niemeyer

Campinas abre inscrições para casamento comunitário entre pessoas do mesmo sexo