Home»REGIÃO»Capital»Haddad é lacônico sobre PP na Habitação

Haddad é lacônico sobre PP na Habitação

Prefeito eleito evita admitir crise na definição da pasta que assumirá o partido de Maluf em seu governo

Por Cezar Xavier

Prefeito eleito Fernando Haddad durante entrevista coletiva de anúncio de novos secretários no dia 28/11/12.

O prefeito eleito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), evitou enfrentar as críticas de movimentos sociais à participação do Partido Progressista no Governo. Durante a entrevista coletiva de apresentação de novos secretários, nesta quarta (28), prolixo e fluente sobre outros assuntos, o novo prefeito foi econômico nas palavras ao ser abordado sobre o tema, revelando a tensão que cerca as negociações com o PP.

Durante o primeiro anúncio dos principais secretários de seu governo (Governo,Finanças, Negócios Jurídicos, Planejamento, Orçamento e Gestão e Desenvolvimento Urbano), no dia 12 de novembro, sem que fosse questionado, Haddad mencionou audiência que tivera com o ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro (PP), para discutir, além das parcerias federativas, a participação do partido no seu governo.

“Fui levar meu apreço pela decisão que o PP tomou, de que a interlocução com o partido fosse mediada pelo próprio ministro, que tem interesse no êxito do governo de São Paulo, em função de sua própria área de atuação: saneamento, mobilidade urbana, habitação, urbanização de favelas, e assim por diante”, disse o prefeito eleito à época.

Após essa menção corriqueira do processo de formação do governo, as reações de movimentos de moradia, militantes petistas e intelectuais tomaram as redes sociais, chegando à assinatura de 90 personalidades em uma carta expressando preocupação com a Secretaria de Habitação (Sehab) e a Companhia de Habitação (Cohab) da cidade de São Paulo ficarem sob o comando do Partido Progressista (PP). A carta teve o cuidado de ser respeitosa com o partido em questão, mas enfática em relação ao cuidado que a política de moradia merece diante do drama que tem sido as últimas gestões, inclusive durante o governo de Paulo Maluf (PP), quando foram construídos os Cingapuras.

Leia mais: Urbanistas e movimento social contra PP na Habitação

Embora tenha se mostrado indiferente à polêmica, o modo como tergiversou sobre o assunto revela o peso que teve a manifestação contra o malufismo na pasta da Habitação. Quando questionado sobre problemas para a definição de uma pasta para o PP no governo, o prefeito eleito afirmou que “está tudo andando normalmente”. Disse também que “não procede” a afirmação de que os movimentos sociais não querem o PP no governo, no que foi exato, já que o questionamento se deu sobre a pasta da Habitação.

Torcendo para a coletiva mudar de assunto, também afirmou que “ainda não” há definição sobre a pasta que o PP assumirá. “Estou discutindo com o ministro Aguinaldo Ribeiro”. Os jornalistas insistiram em saber se a Habitação estava em questão, ao que ele encerrou dizendo que “é uma possibilidade, mas há outras possibilidades”.

A entrevista descontraiu-se, em seguida, quando o prefeito eleito comentou sorrindo a especulação de que o ex-presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, teria deixado o cargo de diretor de seleções para assumir na Prefeitura. Haddad negou qualquer contato com o cartola.

Veja como foi este trecho da entrevista coletiva:

Comentários

Comentários

Expo Catadores 2012 gera negócios e inclusão social

Do Baú do STF: Episódio 1 – Daniel Dantas e Guarani-Kaiowa