Home»REGIÃO»Capital»“É inadmissível o Belas Artes não ser tombado”, diz ex-presidente do Condephaat

“É inadmissível o Belas Artes não ser tombado”, diz ex-presidente do Condephaat

Em reunião da CPI sobre o cinema, Edgar de Assis Carvalho critica falta de representação da sociedade civil no órgão

Por Danillo Oliveira

A CPI do Cine Belas Artes recebeu nesta quarta-feira (28) o professor da PUC-SP Edgar de Assis Carvalho, doutor em Filosofia pela Unesp e ex-presidente do Condephaat (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Turístico do Estado de São Paulo). O convidado criticou a forma como os órgãos de preservação da cidade e do Estado de São Paulo separam os patrimônios em materiais e imateriais. E defendeu o tombamento do Belas Artes não só pelo valor arquitetônico do prédio, mas pelo seu uso. “É inadmissível que esse tombamento não ocorra, juntando sim um prédio que tem valor simbólico grande e qualidade cultural do cinema”, disse.

O ex-presidente do Condephaat (esq.), Edgard de Assis Carvalho, questiona a atuação do órgão. (Foto: Danillo Oliveira/SPressoSP)

Leia também:

Cinelândia Paulistana e o fim dos cinemas de rua

CPI do Belas Artes debate desapropriação do imóvel

Para urbanista, São Paulo vive ditadura dos edifícios fechados em si mesmo

Fachada do Cine Belas Artes é tombada

Em outubro deste ano, o Condephaat determinou o tombamento da fachada do Cine Belas Artes. Porém, a decisão não garante a preservação do espaço como um cinema, o que permite o uso do imóvel para outra finalidade. Apesar de ser considerada uma primeira vitória, os antigos frequentadores continuam a luta pela volta da exibição dos filmes.  O Movimento pela Reabertura do Belas Artes já reuniu mais de 100 mil assinaturas.

Para Assis Carvalho, uma solução para o impasse seria uma parceria público-privada (PPP) para a gestão do Cine Belas Artes nos moldes em que ele funcionou anteriormente. Ele também é favorável a incentivos públicos para o proprietário do cinema, como abatimento do IPTU. “Acabar com o Belas Artes é acabar com um pedaço de São Paulo”, disse Assis Carvalho.

O professor ainda criticou a falta de representação da sociedade civil no Condephaat e uma possível mudança de endereço do cinema.  “A preservação tem um inimigo que é a especulação imobiliária”, finalizou.

(Com informações da Câmara de SP)

Comentários

Comentários

Seis ônibus são incendiados em Sorocaba

Marcelino Freire: 'Balada Literária mostra literatura pulsante e viva'