Home»REGIÃO»Capital»Conte Lopes defende ampliação do poder da Guarda Civil Metropolitana

Conte Lopes defende ampliação do poder da Guarda Civil Metropolitana

Futuro vereador do PTB quer aumentar o contingente atual, de 6 mil, para 15 mil agentes

Da Redação

Em entrevista concedida nesta terça-feira (16) à TV Estadão, o futuro vereador Conte Lopes (PTB), ex-deputado estadual, defendeu a ampliação do poder da Guarda Civil Metropolitana (GCM). “Não resta a menor dúvida” de que a GCM precisa ser reforçada, disse o coronel, segundo O Estado de S.Paulo.  Comandante da Rota (Rondas Ostensivas Tobias Aguiar) entre os anos de 1970 e 1980, Conte Lopes foi eleito com quase 32 mil votos.

Futuro vereador defende leis de proteção a policiais. (Foto: Reprodução)

Leia também:

Mães de Maio cobram atuação do governo federal contra crimes policiais

Para Serra, Coronel Telhada é “defensor dos direitos humanos”

“Bancada da bala” terá Telhada, Camilo e Conte Lopes

Eleito pela bandeira da segurança pública, o futuro vereador disse ser favorável à ampliação da GCM, de 6 mil, para 15 mil agentes. Uma de suas medidas destacadas é a criação de leis de proteção a policiais, uma vez que, para ele, existe uma guerra entre criminosos e as forças de segurança da cidade.

O ex-comandante disse que seu partido apoiará o candidato José Serra (PSDB) na disputa do segundo turno à Prefeitura de São Paulo. No entanto, ressaltou que a necessidade de mudanças ao fortalecimento da segurança pública “independe do partido”. Ocupando agora a Câmara Municipal de São Paulo, afirmou que vai cobrar políticas do governador Geraldo Alckmin (PSDB).

Soma de mortes

Roberval Conte Lopes Lima não foi o único a se eleger sob a temática da segurança pública. Eleito com 89 mil votos, o futuro vereador Paulo Adriano Telhada (PSDB), quinto mais votado na cidade, venceu a disputa  com o lema “bandido bom é bandido morto”. Em ato de campanha com o candidato José Serra, na semana passada, disse que a população precisa da “figura de um herói”.

Juntos, os dois parlamentares somam 77 mortes. A chamada “bancada da bala” também terá Álvaro Camilo (PSD), coronel defensor da Polícia Militar e comandante da corporação durante a gestão Serra, entre 2006 e 2010. Ele também defende maior número de contratações de policiais militares para a operação da Prefeitura de manutenção de coronéis de reserva no comando das subprefeituras.

Comentários

Comentários

Sesc realiza exposição de instrumentos da música antiga

O bico do Malafaia e a campanha do ódio