Home»REGIÃO»Capital»Vice de Serra é acusado por desvio de dinheiro para ONG dos donos de Veja

Vice de Serra é acusado por desvio de dinheiro para ONG dos donos de Veja

Esquema de Alexandre Schneider com a Fundação Victor Civita é aula de como distribuir dinheiro público para amigos

Da Rede Brasil Atual (CX)

Divulgação da Campanha Serra Prefeito

Tramita na 12ª Vara da Fazenda Pública a investigação sobre desvio de dinheiro público da Prefeitura e do Governo do Estado para favorecer a Fundação Victor Civita – ONG ligada ao grupo Abril, proprietário da revista Veja. O processo foi publicado dia 4 de julho, perto da indicação do secretário de governo à vice de Serra, no Diário da Justiça.

A acusação da promotoria responsabiliza o ex-secretário municipal de Educação, Alexandre Schneider (PSD), escolhido como candidato a vice na chapa do tucano José Serra, pelo compadrio político, violando o princípio da impessoalidade.

Schneider contratou o pessoal da fundação para prestação de serviço de “Formação Continuada para Diretores e Supervisores”, durante o período em que foi secretário de Educação na administração do atual prefeito Gilberto Kassab.

Segundo a denúncia dos promotores, a escolha da ONG ligada à Veja foi feita “a dedo” e ilegalmente, dispensando a necessária licitação, já que havia muitas outras instituições qualificadas a prestar o serviço.

Terceirização da roubalheira

Para piorar a denúncia, o curso de capacitação não foi prestado pela fundação, que contratou outra Ong para isso, o Instituto Protagonistés, presidido pela tucana Rose Neubauer, que foi secretária de Educação no governo Mário Covas e amiga de Schneider.

Outra vantagem de ser amigo do rei é que a editora Abril não precisou imprimir as apostilas do curso, nem pagar por sua impressão. As cartilhas do projeto foram impressas na gráfica da Imprensa Oficial do Estado. A ONG de Veja arcou apenas com os custos do papel utilizado, sem ressarcir aos cofres públicos o valor dos serviços dos funcionários e outras despesas diretas ou indiretas, causando prejuízo ao erário estadual. O presidente da Imprensa Oficial que autorizou a maracutaia era Hubert Alquéres, outro a compor esta “ação entre amigos” demotucanos, segundo a denúncia.

A ação teve origem em representação apresentada pelo então vereador Beto Custódio (PT-SP). O Ministério Público pede a devolução aos cofres da prefeitura o valor de R$ 611.232,00, além de outras punições cabíveis.

Comentários

Comentários

  • Parece ciumeira da concorrente que perdeu a licitação.

"Bancada da bala" terá Telhada, Camilo e Conte Lopes

Jundiaí terá segundo turno com Pedro Bigardi (PCdoB) e Luiz Fernando (PSDB)