Home»REGIÃO»Capital»Homicídio sobe em SP acumulando 6,3% no ano

Homicídio sobe em SP acumulando 6,3% no ano

Aumento após euforia da queda em julho, mostra inconsistência nas políticas de Segurança Pública. Capital é onde a alta foi mais forte

Por Cezar Xavier

Houve aumento de 8,6% dos homicídios dolosos (intencionais) no Estado de São Paulo em comparação com agosto de 2011, e de 6,3% se analisado o acumulado nos oito primeiros meses do ano. Na capital paulista o aumento foi ainda maior, de 15,2%. As estatísticas divulgadas nesta terça (25) pela Secretaria de Segurança Pública do Governo Alckmin (PSDB) representam um banho de água fria após a histeria da oscilação para baixo da criminalidade no mês de julho.

Leia também:

Deputados investigam casos de execuções por policiais nas periferias de São Paulo

Maria Rita Kehl: Alckmin usa a mesma retórica dos matadores da ditadura

Com os atuais números, a taxa oficial no estado é de 10,37 homicídios por 100 mil habitantes. O governo afirma trabalhar com uma meta abaixo de dois dígitos, ou seja, um índice menor que 10. Em junho, quando o governo tucano admitiu preocupação com uma escalada da criminalidade, morriam em média 14 pessoas por dia no Estado. Em agosto, foram 13 mortes diárias, o segundo maior índice do ano.

Segundo o governo, até o fim do ano, 200 novos delegados assumem o cargo no Estado em centrais de flagrantes. O governo recusa a possibilidade de estar lidando com uma nova escalada da violência, mesmo diante dos atentados sistemáticos a policiais na capital e no interior e os números da criminalidade recrudescendo, desde o início do ano.

No mês passado foram registrados 391 homicídios dolosos no Estado, com 417 vítimas. Em todo o ano, foram 2.924 registros, com 3.109 vítimas.

Dos 17 tipos de crime divulgados ontem pelo governo, apenas roubo (-4,8%), homicídio culposo (-7,1%) e roubo a banco (-52%) tiveram redução no Estado.

Extremos abandonados da Capital

Na cidade de São Paulo, o crescimento foi maior: 15,2 % em agosto e 15,4% no acumulado do ano. Os principais aumentos nos índices foram em latrocínio (roubo seguido de morte), que teve um aumento de 71,4%, e estupro, 31%. Na Capital, as reduções se deram apenas em latrocínio, roubo e roubo a banco.

O extremo sul da cidade foi responsável por 30,8% das vítimas de homicídio em ocorrências registradas de janeiro a agosto deste ano, segundo o governo do Estado. O extremo leste concentrou 25,7% das vítimas de assassinato nesse mesmo período.

Na cidade de São Paulo, o número de vítimas de homicídio subiu 17% nos oito primeiros meses deste ano em comparação com igual período do ano passado -717 para 839.

Já no extremo sul do município, o aumento foi de 10,3%, enquanto no extremo leste a variação chegou a 14,9% -aqui, o aumento percentual é mais que o dobro do registrado no Estado no período.

Comentários

Comentários

Russomanno e Serra fogem do debate da TV Record e evento é cancelado

Desigualdade caiu forte nos últimos dez anos no País