Home»Sem categoria»Atuação de policiais leva medo às periferias

Atuação de policiais leva medo às periferias

Aumento no número de homicídios e sensação de insegurança dos moradores colocam em xeque a atuação da corporação 

Por Igor Carvalho

Polícia Militar é questionada por moradores das periferias (Foto: Serjão Carvalho / Flickr)

Toques de recolher (alguns verdadeiros, outros hipotéticos), chacinas, batidas hostis e opressão. Esse é o cenário vivido por moradores de parte da periferia de São Paulo, nesse momento. No mês de junho, somente entre os dias 17 e 28, 127 pessoas foram assassinadas na capital paulista, segundo dados do Sistema de Informações Criminais (Infocrim), órgão ligado à secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo. Para efeito de comparação, no ano passado, durante o mês inteiro de junho, foram 67 homicídios.

Para Guaracy Minardi , cientista político e especialista em segurança pública, um confronto entre membros da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) e agentes da Polícia Militar (PM) poderia ser o pano de fundo dessa onda de violência. “Pode ser que os crimes estejam interligados, não tenho informações sobre isso, é apenas uma opinião baseada no cenário que estamos vendo. Se forem interligados, podemos concluir que o PCC está por trás disso, pelas características do confronto.”

O professor acredita que o alvo pode ser, também, o poder público. “Provavelmente não teremos, espero, um cenário como o de 2006, e temos que entender que o PCC não é monolítico, ele possui diversas vertentes, uma delas pode estar se articulando nesse momento. De qualquer forma, podemos estar diante de uma tentativa do PCC de enfrentar o Estado.” Recentemente, o delegado chefe da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Jorge Carrasco, admitiu que uma chacina realizada no Capão Redondo, bairro da zona sul, está sendo investigada pois seria motivada por uma vingança de agentes militares pela morte de um policial.

O Capão Redondo é um dos bairros mais atingidos pela violência. “Com essa história de pacificação, importada do Rio de Janeiro, estamos sofrendo aqui. Policiamento ostensivo e violento é comum nas ruas”, afirma a moradora Débora, que questiona a atuação da Ronda Ostensiva Tobias Aguiar (Rota). “É horrível, eles chegam em baile funk arrebentando, não querem nem saber se é mulher, se está grávida, é tudo muito violento, abordam colocando arma na cabeça das pessoas”, conta.

O cenário é parecido com o vivido na Cidade Tiradentes, zona leste de São Paulo. “A Rota nos incomoda muito, eles entram sem perguntar o nome, agem e depois vão saber quem é a pessoa”, afirma o educador social Nilmar da Silva Teodoro. O medo do grupo de elite da PM é explicado em números. A Rota, nos cinco primeiros meses de 2012, matou 45 pessoas, no mesmo período de 2011 foram 31 e no ano de 2010 o grupo matou 22 pessoas. As informações são do jornalista André Caramante, em matéria publicada na Folha de S. Paulo. Na mesma matéria, o tenente-coronel Salvador Modesto Madia, chefe da Rota desde novembro do ano passado, diz “não se importar com números, mas, sim, com a legalidade dessas mortes”

A atuação é questionada por Minardi. “A Rota não muda, mudam-se somente as moscas, ela continua agindo da mesma forma desde a década de 70. Gente que atuava como matador acaba tendo espaço lá.” O cientista político ressalta que o debate sobre o grupo de elite da PM deve ser levado para outra esfera. “Não podemos esquecer que isso não é um problema só da polícia, é político também, o comando da Rota é indicado pelo secretário de Segurança Pública de São Paulo.”

Direitos Humanos

Em relatório sobre a situação dos Direitos Humanos no Brasil, a Anistia Internacional admite que “agentes policiais estejam envolvidos com grupos de extermínio e com milícias que praticam ações de limpeza social e extorsão, além de tráfico de armas e de drogas.” O relatório foi divulgado dia 23 de maio, uma semana depois o Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) recomendou que a Polícia Militar seja extinta, pedindo a abolição do “sistema separado de Polícia Militar, aplicando medidas mais eficazes (…) para reduzir a incidência de execuções extrajudiciais”. Além da recomendação, o documento pede que o país contribua mais para combater os “esquadrões da morte” dentro da instituição.

Minardi lembra que não é de hoje que existem grupos de extermínio dentro da Polícia Militar e ressalta que eles “são mais ou menos organizados”, mas acredita que o ideal não seja extinguir a PM e sim “trabalhar pela unificação das polícias.” O professor argumenta que há ações positivas dentro da instituição. “A PM melhorou em alguns aspectos, principalmente quando alguns setores aderem ao policiamento comunitário, que humaniza a relação do policial com a sociedade, mas ainda é uma corrente pequena, infelizmente há uma grande parte que ainda resiste.”

Histórico

A intensificação do policiamento, o aumento dos homicídios e os toques de recolher seguidos começaram no dia 28 de maio, quando a Rota, após troca de tiros, matou cinco homens que estavam reunidos na Penha, zona leste de São Paulo. Testemunhas afirmam que um dos assassinados foi levado, ainda com vida, até a região do Parque Ecológico do Tietê e torturado. Os agentes foram detidos em flagrante pela Corregedoria da Polícia Militar e o caso é investigado pelo DHPP.

Em 2012, 41 policiais militares foram assassinados, nove deles entre os dias  30 de maio e 24 de junho. Segundo o capitão Rodrigo Cabral, da Polícia Militar, “há indícios de execução em todos os casos”. Durante todo o ano de 2011, 45 agentes foram mortos. A Polícia Militar foi procurada pela reportagem do SPressoSP, porém, até o fechamento da matéria, ainda não havia se pronunciado. A ouvidoria da Polícia Militar também foi procurada, e informou que analisará a possibilidade de responder até terça-feira (10).

Comentários

Comentários

  • Um José Anônimo para evitar perseguições

    Não são só policiais não, um determinado agente municipal “Guarda Municipal” de trânsito de Juiz de Fora. Parecia querer mostrar sua masculinidade diante do mais fraco desarmado e sem a lei do lado, talvez porque estivesse o Guarda Municipal acompanhado de uma Guarda Muicipal feminina.
    Era uma pessoa visivelmente aparentando não assumir suas intenções e atitudes, um tanto sorrateira, agridindo verbalmente quem não podia se defender. Usando sua força ou influência para prejudicar outros, provavelmente injustamente.
    Como se fosse aquele que demonstra espírito de covardia porque age em bando, se comunica via rádio intimidando mais ainda as suas vítimas sabendo que sua atitude não vai ser repreendida. Não diz diretamente o que pensa, faz insinuação maldosa. Cheio de atítues típicas de intimidadores e humilhadores, característica de pessoas covardes que também costumam ser manipuladoras, se aproveitando da força contra os fracos.

    Um belo exemplo para definir esse polícia de trânsito “Guarda Municipal” de juiz de Fora, é um exemplo do uso da palavra Covarde:
    “A pior forma de covardia é aquela que testa sua força na fraqueza dos outros”

    Esta é a Juiz de Fora que nosso prefeito atual quer? Autoritários agredindo verbalmente e intimidando cidadãos comuns com o uso da força para arrecadar para o município com multas? Afugentando fregueses de logistas que além de contribuir com impostos ainda doam para entidades fialantrópicas partes de seus lucros?
    Devo dar parabéns ao prefeito desta cidade? Por apoiar e patrocinar a agressão aos juiz Foranos, e não por um, tenham certeza, por alguns Guardas Municipais e ou de trânsito?
    A violência de torturaras à até mortes começa assim.
    Ass: Um José Anônimo (para não sofrer mais perseguições.)

  • Um José anônimo para não sofrer represálias

    (Com correções) Não são só policiais não, e muito menos só às perfirerias da cidades; Um determinado agente municipal “Guarda Municipal” de trânsito de Juiz de Fora, em bairro central comercial. Parecia querer mostrar sua masculinidade diante do mais fraco desarmado e sem a lei do lado, talvez porque estivesse o Guarda Municipal acompanhado de uma Guarda Muicipal feminina.
    Era uma pessoa visivelmente aparentando não assumir suas intenções e atitudes, um tanto sorrateira, agredindo verbalmente quem não podia se defender. Usando sua força ou influência para prejudicar outros, provavelmente injustamente.
    Como se fosse aquele que demonstra espírito de covardia porque age em bando, se comunica via rádio intimidando mais ainda as suas vítimas sabendo que sua atitude não vai ser repreendida. Não diz diretamente o que pensa, faz insinuação maldosa. Cheio de atítues típicas de intimidadores e humilhadores, característica de pessoas covardes que também costumam ser manipuladoras se aproveitando da força contra os fracos.

    Um belo exemplo para definir esse polícia de trânsito “Guarda Municipal” de juiz de Fora, é um exemplo do uso da palavra Covarde:
    “A pior forma de covardia é aquela que testa sua força na fraqueza dos outros”

    Esta é a Juiz de Fora que nosso prefeito atual quer mostrar para os seus turistas-empresariais e o Brasil? Autoritários agredindo verbalmente e intimidando cidadãos comuns com o uso da força para arrecadar para o município com multas? Afugentando fregueses de logistas que além de contribuir com impostos ainda doam para entidades fialantrópicas partes de seus lucros?
    Devo dar parabéns ao prefeito desta cidade? Por apoiar e patrocinar a agressão aos juiz Foranos, e não por um, tenham certeza, por alguns Guardas Municipais e ou de trânsito?
    A violência de torturas à até mortes começa assim.
    Ass: Anônimo (para não sofrer mais perseguições.)

Vice de Serra fez SP perder 300 milhões, diz presidente do PT

Clube Paulistano recebe advertência por discriminação contra casal gay