Home»Sem categoria»Briga entre palmeirenses e corintianos deixa um torcedor morto e outros seis feridos

Briga entre palmeirenses e corintianos deixa um torcedor morto e outros seis feridos

André Alvez Lezo, 21 anos, teve a morte por ferimento de arma de fogo confirmada na noite deste domingo (25)

Da Redação

O torcedor André Alves, o Lezo, será enterrado hoje (26), às 14h30, no Cemitério Jaraguá. (Foto: Reprodução/Facebook)

Uma briga antes do clássico entre Palmeiras e Corinthians deixou duas pessoas baleadas e cinco feridas por paus e pedras. A morte de um dos torcedores baleados foi confirmada na noite deste domingo, 25. O estudante palmeirense André Alves Lezo, de 21 anos, foi atingido por um tiro na cabeça e não resistiu. A polícia militar em abordagem a um veículo prendeu dois palmeirenses que estariam armados. Outros três torcedores que estavam no veículo conseguiram fugir. Segundo informação da PM, os torcedores estariam armados, mas no momento da abordagem não estavam mais com a arma de fogo. Os dois passaram por exame residuográfico, para detectar a presença de pólvora nas mãos, e foram liberados.

A PM suspeita que o conflito entre as torcidas tenha sido marcado pela internet. O confronto, que reuniu quase 300 torcedores, ocorreu por volta das 10h na região da Avenida Inajar de Souza, zona norte. O horário da briga, muito antes do jogo marcado para as 16h no Pacaembu, reforça a tese de que o confronto tenha sido agendado antecipadamente.

A briga fez com que a Polícia redobrasse suas ações no clássico de ontem. Devido ao forte esquema de segurança armado não foi registrado nenhum confronto nos arredores do Pacaembu antes da partida.

Esta foi a segunda morte ocasionada por brigas entre torcidas rivais, em apenas um mês, no Estado de São Paulo. Um torcedor do Guarani morreu depois de ser espancado por torcedores da Ponte Preta. A briga ocorreu após duas partidas das categorias sub-15 e sub-17 das duas equipes, no estádio Brinco de Ouro, em Campinas.

Comentários

Comentários

Obra na Consolação tira o sono dos moradores

Festival Baixo Centro desperta necessidade do paulistano ocupar as ruas