Home»Sem categoria»Alckmin e Nahas podem responder por crime contra humanidade, diz procurador

Alckmin e Nahas podem responder por crime contra humanidade, diz procurador

Marcio Sotelo Felippe diz que a tragédia no Pinheirinho beneficiou só o megaespeculador Naji Nahas

Por Marilu Cabañas, da Rádio Brasil Atual

Aparato de guerra: 2 mil policiais invadiram a comunidade onde moravam 1,6 mil famílias. O despejo também contou com helicópetros, bombas de gás e balas de borracha (Foto: @PinheirinhoSJC)

O procurador do Estado de São Paulo Marcio Sotelo Felippe avalia que toda o processo judicial que resultou no despejo de milhares de pessoas da comunidade ocupada do Pinheirinho, em São José dos Campos/SP, tinha como objetivo beneficiar o megaespeculador Naji Nahas e, por isso, o Tribunal Penal Internacional tem de expedir mandados de prisão contra Nahas e o governador Geraldo Alckmin, além do presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, desembargador Ivan Sartori.

Felippe analisou a documentação sobre o processo de falência da empresa Selecta, de Nahas, proprietária do terreno e beneficiária da reintegração de posse efetivada de forma violenta pela PM paulista no dia 22 de janeiro, com apoio da Guarda Civil Metropolitana de São José dos Campos.

Para o representante do ministério público, que já ocupou o cargo de procurador geral do Estado na gestão do governador Mário Covas, o trio deve responder por crimes cometidos contra a humanidade.

Ouça a entrevista de Marcio Sotelo Felippe:

[audio:http://spressosp.com.br/wp-content/uploads/2012/02/marcio_procurador_pinheirinho.mp3]

Leia também:

Suplicy denuncia casos de agressões físicas e abuso sexual no Pinheirinho

Para Paulo Maldos, PM estava orientada a “dominar e eliminar” moradores do Pinheirinho

Desabrigados do Pinheirinho enfrentam truculência e futuro incerto

Comentários

Comentários

Festival de Cinema da zona leste abre espaço para produções independentes

Planos de saúde não podem fixar limite com despesa hospitalar, decide STJ