Home»Sem categoria»Retrato do abandono: casarão às moscas na Alameda Nothmann

Retrato do abandono: casarão às moscas na Alameda Nothmann

Um belíssimo casarão que quase não é notado devido seu alto muro no número 485 da Alameda Nothmann, quase na esquina da Avenida Rio Branco, está abandonado. O site São Paulo Antiga, que monitora os imóveis nessa situação na cidade, tentou pesquisar a história do imóvel e descobriu que ele, no passado pertenceu (ou foi alugado) à família Amendola.

Na região, viviam os ricaços paulistanos (Foto: São Paulo Antiga)

Segundo o site, a região era escolhida pelos Barões do Café para se estabelecerem na cidade de São Paulo. O bairro de Campos Elíseos concentrava a parte mais rica da sociedade paulista. Estes empresários da São Paulo antiga trouxeram a então pequena cidade de São Paulo um padrão europeu, comparado com as regiões mais ricas da França. Até o nome do bairro é inspirado em uma prestigiada avenida francesa, a Champs-Élysées.

Com o tempo, os ricaços paulistanos começaram a migrar para outras áreas da cidade e o bairro começou a sofrer uma deterioração. À medida que a cidade ia se expandindo, o bairro ia ficando cada vez mais parado no tempo, com suas mansões anteriormente habitadas e ricas tornando-se vazias e degradadas ou virando cortiços. Pouco tempo depois, tivemos a chegada da antiga rodoviária, hoje já demolida, que foi uma espécie de pá de cal para a vida de alto padrão do bairro.

Mesmo assim, muitos dos antigos casarões e palacetes dos ricos que ali viveram ainda estão por lá, como o Palacete do Barão do Rio Pardo, a casa do aviador Santos Dumont, o Palacete de Dino Bueno entre outros.

Publicado originalmente no São Paulo Antiga.

Comentários

Comentários

Concorrência no metrô pode ter gerado prejuízo de R$ 326 milhões

Moradores dizem não ao túnel de Kassab